O tenista sérvio Novak Djokovic igualou hoje o australiano Rod Laver e o sueco Bjorn Borg na ‘galeria’ dos campeões de torneios do ‘Grand Slam’, ao conquistar o 11.º troféu num ‘major’, o sexto no Open da Austrália.

O líder do ‘ranking’ mundial revalidou o título de 2015 e ‘decalcou’ os sucessos do ano passado, de 2013 e 2011, quando se sagrou campeão na Austrália depois de bater na final o britânico Andy Murray.

Na segunda final consecutiva entre Djokovic e Murray, segundo da hierarquia, o sérvio revalidou o título com um triunfo em três ‘sets’, pelos parciais de 6-1, 7-5 e 7-6 (7-3), em duas horas e 53 minutos.

No final do encontro, as primeiras palavras de Djokovic foram precisamente dirigidas a Murray: “Andy teve azar esta noite. É um grande campeão, um grande amigo e uma grande pessoa”.

“É um jogador muito profissional e comprometido com este desporto. Tenho a certeza que, no futuro, terá mais oportunidades para conquistar este troféu”, disse Djokovic na cerimónia de entrega de prémios.

Este foi o 31.º confronto entre os dois primeiros da classificação mundial, com Djokovic a reforçar o domínio nos frente a frente, somando a 22.ª vitória sobre o britânico.

Djokovic conquistou o 61.º troféu da carreira, o segundo em 2016, passando a contar no palmarés com 11 títulos em torneios do ‘Grand Slam’.

Na contabilidade da história dos ‘Grand Slam’, Djokovic ficou agora a um triunfo do ‘pódio’, embora tenha igualado o australiano Roy Emerson no número de troféus erguidos na Austrália (seis).

Nas contas totais, terceiro lugar neste ‘ranking’ continua a ser ocupado precisamente por Roy Emerson, enquanto os dois primeiros lugares pertencem a três jogadores, dois ainda no ativo: o suíço Roger Federer, com 17, o espanhol Rafael Nadal e o norte-americano Pete Sampras, ambos com 14.

Já Andy Murray reforçou a ‘malapata’ na Austrália, pois foi a quinta final que perdeu em Melbourne, ele que tem dois torneios do ‘Grand Slam’ no currículo: Open dos Estados Unidos de 2012 e Wilbedon de 2013.

Esta final foi arbitrada pelo português Carlos Ramos, que dirigiu um encontro decisivo na Austrália pela terceira vez, depois de 2005 e 2014.

No total, o árbitro luso já esteve em mais três finais de um ‘major, depois de Roland Garros (2005), Wimbledon (2007) e Open dos Estados Unidos (2011).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.