Jaime Faria e Henrique Rocha assinaram as primeiras vitórias portuguesas no Maia Open, torneio do ATP Challenger Tour que a Federação Portuguesa de Ténis organiza, até dia 4 de dezembro, no Complexo Municipal de Ténis da Maia com o apoio da Câmara Municipal da Maia.

O primeiro a avançar para a segunda e última ronda do qualifying foi Henrique Rocha. A jogar em casa, o jovem maiato (atual 855.º classificado no ranking ATP) ultrapassou o espanhol Daniel Merida (517.º) com os parciais de 6-1 e 7-5 para registar a quarta vitória da carreira a este nível.

O atual bicampeão nacional de sub-18 vai procurar o inédito apuramento para o quadro principal de um torneio Challenger frente ao búlgaro Alexandar Lazarov (277.º), que minutos antes despachou o suíço Kilian Feldbausch (960.º) por 6-1 e 7-6(3).

Já na parte final da jornada, também Jaime Faria (614.º ATP) inscreveu o nome na derradeira ronda da fase de qualificação.

Na última semana da melhor temporada da carreira, na qual conquistou quatro títulos ITF (dois em singulares, dois em pares) e chegou ao top 600 mundial, o lisboeta de 19 anos levou a melhor por 6-2 e 6-0 sobre João Dinis Silva, estreante em torneios profissionais e quatro anos mais novo que o adversário, ao qual se juntou recentemente no Centro de Alto Rendimento da Federação Portuguesa de Ténis.

No ainda curto percurso de Jaime Faria no ATP Challenger Tour consta apenas uma presença em rondas de acesso (precisamente na última prova que disputou, o Del Monte Lisboa Belém Open). O Maia Open será, por isso, uma oportunidade de alcançar pela primeira vez um quadro principal, sendo que para isso terá de ultrapassar o belga Gauthier Onclin (337.º), responsável pelo afastamento de Francisco Rocha — vice-campeão nacional absoluto e irmão mais velho de Henrique Rocha — por 6-0 e 6-3.

Para além de Dinis Silva e Rocha, outros quatro tenistas lusos foram eliminados no decorrer da jornada inaugural do Maia Open 2022.

Logo a abrir a jornada no Court Central, Duarte Vale (565.º ATP) mostrou pouca rodagem de terra batida e cedeu com os parciais de 6-3 e 6-0 perante o alemão Maik Steiner (927.º), que manteve o serviço inviolável em todo o encontro.

Em simultâneo, Gonçalo Falcão (atualmente sem ranking de singulares e a jogar o torneio com wild card) não conseguiu contrariar Raphael Collignon (297.º), perdendo por 6-2 e 6-2.

Quanto a Tiago Silva (1603.º), irmão mais velho de João Dinis Silva, não saiu por cima face ao austríaco Maximilian Neuchrist (350.º), que fez valer a sua maior experiência e aproveitou os erros do jogador da casa para triunfar por 6-1 e 6-3.

E o também maiato Guilherme Valdoleiros, convidado do torneio e ainda a concluir os estudos nos EUA, despediu-se da primeira participação em provas Challenger com uma derrota por 6-1 e 6-1 para o cazaque Denis Istomin, 479.º e antigo 33.º que derrotou Novak Djokovic no Australian Open de 2017.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.