Numa jornada de má memória para alguns dos principais favoritos, Tsitsipas, número quatro do mundo, que pode chegar a número um caso vença o primeiro ‘major’ da época, voltou a levar a melhor diante o italiano Jannik Sinner (16.º ATP) em cinco ‘sets’, com os parciais de 6-4, 6-4, 3-6, 4-6 e 6-3.

Depois de repetir o triunfo alcançado há um ano nos quartos de final, o helénico, de 24 anos, vai tentar, pela quarta vez, voltar às meias-finais nos Antípodas (2019, 2021 e 2022) frente ao checo Jiri Lehecka (71.º ATP), que surpreendeu o canadiano Félix Auger Aliassime, número sete do mundo, em quatro parciais, por 4-6, 6-3, 7-6 (7-2) e 7-6 (7-3), para se estrear no top 8 de um torneio do Grand Slam.

“Honestamente, isto é incrível. Perdi na primeira ronda no ano passado, por isso, se alguém me tivesse dito antes do torneio que ia jogar assim, não teria acreditado. Estou super feliz por ter passado e muito entusiasmado”, confessou Lehecka, que perdeu o único confronto com Stefanos Tsitsipas, nas meias-finais do ATP 500 de Roterdão, em piso rápido, em três ‘sets’.

Já o norte-americano Sebastian Korda (31.º ATP) continua a surpreender: depois de eliminar Daniil Medvedev, vice-campeão nas últimas duas edições, desta vez superou o polaco Hubert Hurkacz, 10.º pré-designado, derrotado por 3-6, 6-3, 6-2, 1-6 e 7-6 (10-7), ao cabo de três horas e 28 minutos.

Apurado pela primeira vez para os quartos de final do Open da Austrália, torneio que o seu pai Petr Korda conquistou em 1998, o jovem, de 21 anos, vai ter como próximo adversário o russo Karen Khachanov (20.º ATP), responsável pelo desaire do japonês Yoshihito Nishioka, por 6-0, 6-0 e 7-6 (7-4).

À partida para o quarto confronto direto com Khachanov, Korda chega em vantagem (2-1).

Na competição feminina, a jornada de hoje foi fértil em surpresas, a começar pela derrota da número um mundial, Iga Swiatek, diante a cazaque Elena Rybakina em ‘sets’ sucessivos, por duplo 6-4, ao cabo de uma hora e 29 minutos.

“Quando se joga contra a número um não temos nada a perder. Sabia que tinha de ser agressiva desde o primeiro ponto, porque ela mexe-se muito bem e defende muito bem. Por isso, tentei atacar desde a primeira bola e funcionou bem”, comentou Rybakina, 25.ª classificada no ‘ranking’ WTA.

Graças ao triunfo, a campeã de Wimbledon, de 23 anos, vai estrear-se nos quartos de final em Melbourne Park, repetindo Roland Garros (2021) e Wimbledon (2022), frente à letã Jelena Ostapenko (17.ª WTA), que eliminou hoje a favorita norte-americana Coco Gauff (7.ª WTA), pelos parciais de 7-5 e 6-3.

Tal como Ostapenko, campeã de Roland Garros em 2017, a norte-americana Jessica Pegula (3.ª WTA) assegurou a manutenção em prova com uma vitória ante a checa Barbora Krejcikova (23.ª WT), também vencedora na terra batida parisiense em 2021, por 7-5 e 6-2.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.