O capitão da seleção nacional de ténis, Rui Machado, reconheceu hoje a superioridade da Finlândia sobre Portugal (2-0) na eliminatória de apuramento para o Grupo Mundial da Taça Davis, que termina sábado no Gatorade Center, em Turku.

A formação capitaneada por Jarkko Nieminen lidera o confronto, depois de Nuno Borges (47.º do mundo) ter perdido o primeiro encontro de singulares de hoje frente a Otto Virtanen (166.º), com os parciais de 6-2 e 6-1, e de João Sousa (245.º) ter cedido diante de Emil Ruusuvuori (55.º), por 6-2 e 6-3.

“Hoje a equipa finlandesa esteve muito superior à nossa em ambos os encontros. Nós encarámos o dia de hoje com muita ambição e estávamos preparados para aproveitar as oportunidades, mas na verdade não tivemos oportunidades e não conseguimos jogar ao mesmo nível que os nossos adversários”, avaliou Machado, em declarações à Lusa.

Apesar da desvantagem no marcador, a eliminatória ainda não está decidida, e Rui Machado acredita que será fundamental o encontro de pares, agendado para sábado, para o desfecho do confronto que qualificará a equipa vencedora para as Davis Cup Finals.

“Resta preparar o dia de amanhã [sábado] e a equipa para tentar subir o nível e acompanhar os adversários. Sei que a nossa equipa está mentalmente preparada, é muito profissional e, se tivermos oportunidade, vamos aproveitar. Por isso, amanhã [sábado] vamos manter o par e uma vitória no par muda o ânimo de ambas as equipas e deixa a eliminatória totalmente em aberto. O primeiro objetivo é esse, vencer o par”, sublinhou.

Para o desafio de duplas, o capitão da equipa portuguesa elegeu Francisco Cabral (49.º do ranking de pares) e Nuno Borges (221.º), que terão pela frente Harri Heliovaara (31.º) e Patrik Niklas-Salminen (124.º).

Já para os últimos dois encontros de singulares, após os pares, está previsto Borges defrontar Ruusuvuori e Sousa jogar com Virtanen, uma estratégia que poderá ser alterada por qualquer um dos capitães, conforme os resultados do desafio anterior.

“Vai depender um bocadinho de como decorrer o par e o resultado, obviamente. Mas quando tenho jogadores como o Nuno, o João, o Gastão [Elias] e inclusive o Henrique [Rocha], caso seja necessário, sei que vão se apresentar todos com um grande nível. Mas, para já, vamos jogar o par e depois vamos ver o que é que se joga a seguir”, concluiu Rui Machado.

Naquela que é a terceira eliminatória contra a Finlândia (1-1), nação semifinalista das Davis Cup Finals em 2023, Portugal está a tentar pela quinta vez na história o acesso à fase final da Taça Davis, depois de ter falhado o feito frente à Croácia em 1994, Alemanha em 2017, Cazaquistão em 2019 e República Checa há um ano.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.