Tomas Berdych, o cabeça de cartaz do 25.º Portugal Open em ténis, disse hoje que não teve de pensar muito para aceitar o convite de última hora de João Lagos para vir ao complexo do Jamor.

“Foi mesmo uma decisão de última hora, porque não estava na minha agenda, nem nos meus planos, mas, quando recebi a chamada, com a proposta do `wild-card´, refleti muito rapidamente”, começou por dizer o número seis do Mundo, depois de uma aula de culinária em que cozinhou (e cortou) atum.

Tomas Berdych recordou que, apesar de em Miami ter jogado “mesmo bem”, o Masters 1000 não acabou da melhor maneira, “especialmente no aspeto da saúde”, pelo que estava à procura de mais jogos na terra batida.

“Depois de Monte Carlo, fiz uma boa preparação em casa, então, quando recebi a chamada com a hipótese de jogar outro torneio, simplesmente fiquei muito contente por vir aqui e jogar alguns encontros. Penso que vai ser uma boa escolha para mim”, explicou.

Até hoje, o jogador checo só tinha estado em Portugal uma vez, para disputar o antigo Estoril Open, em 2005, mas há muito que queria voltar, também devido à “pressão” do preparador físico português Sérgio Ferraz.

“Desde que começámos a trabalhar que ele me dizia tens de ir a Portugal. E eu lembrava que só havia um torneio. “Talvez um dia”, dizia-lhe. Quando a chance apareceu ele foi o primeiro a dizer que tenho de ir”, contou.

O primeiro cabeça de série do 25.º Portugal Open escusou-se a traçar objetivos, salientando que as expetativas são uma coisa e outra é o que acontece no “court”.

“Para mim é sempre a mesma coisa, tentar ir jogo a jogo. Tudo vai começar amanhã para mim, vou enfrentar o meu primeiro adversário, vou tentar ultrapassar essa e depois seguir dia a dia”, acrescentou.

Sobre o adversário da primeira ronda, o indiano Somdev Devvarman, Berdych lembra-se de ter jogado com ele uma vez e de o ter visto em vários torneios no início do ano.

“Ele consegue ser muito perigoso. Não tenho experiência de jogar com ele na terra batida, por isso vamos ver quão forte ele pode ser. Temos de estar sempre muito concentrados em todos os jogos que jogamos. É desporto, por isso são sempre 50 por cento de chances para cada lado. Vou tentar fazer o meu melhor e tentar começar o torneio bem”, prometeu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.