O tenista austríaco Dominic Thiem desvalorizou hoje o primeiro caso de covid-19 no Open dos Estados Unidos, garantindo que a ‘bolha’ criada em Flushing Meadows torna o complexo nova-iorquino no lugar mais seguro do Mundo.

“Acho que neste momento não há lugar mais seguro no mundo. Talvez se alguém se trancar numa caverna, ou estiver no meio do mar, não sei. De qualquer forma, isto é muito seguro, estamos numa bolha", valorizou.

O francês Benoit Paire, 22.º do 'ranking' mundial e 17.º cabeça de série do ‘Grand Slam’ norte-americano, que se deveria estrear na terça-feira frente ao polaco Kamil Majchrzak, 108.º do 'ranking, foi o caso revelado hoje pela organização.

“Esperemos que mais ninguém seja infetado. Há tanta gente no torneio que a possibilidade de que alguém dê positivo é muito alta. Desejo só o melhor ao Benoit”, acrescentou o austríaco, segundo pré-designado do segundo ‘major’ da temporada, que arranca na segunda-feira.

A organização garantiu que o infetado, entretanto em quarentena no hotel e cuja identidade foi primeiramente revelada pelo jornal francês L’Équipe, não revelou sintomas de covid-19.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 843 mil mortos e infetou mais de 25 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (182.785) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 5,9 milhões).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto