O espanhol Alvaro Bautista (Ducati) foi o vencedor da corrida 1 da terceira etapa do mundial de SuperBikes, disputada no Autódromo do Estoril, tendo conseguido a vitória a poucos metros da linha da meta.

A corrida no Autódromo do Estoril teve emoção até ao seu final, com Alvaro Bautista a reforçar a liderança do mundial de SuperBikes, ao chegar à vitória nos últimos metros de prova.

O espanhol começou a corrida mais atrás - largou da terceira posição - e deixou o turco Toprak Razgatlioglu (Yamaha) e o britânico Jonathan Rea (Kawasaki) a lutarem pela vitória, para, quase no fim da corrida, puxar de um 'último fôlego' e conseguiu ultrapassar Toprak praticamente em cima da linha da meta.

Esta é a quarta vitória de Bautista em sete corridas este ano, com o piloto da Aruba.it Ducati a chegar aos 134 pontos, mais 27 do que o segundo classificado, Jonathan Rea.

“Eu lembro-me de uma das minhas melhores corridas da carreira. Foi aqui no Estoril em 2007 e foi muito semelhante a esta. Hoje, foi incrível, perdi espaço no início para o Toprak e o Jonathan. Apesar disso, o nosso ritmo nos treinos foi muito semelhante e sabia que podia chegar perto. Eles começaram a lutar um com o outro e eu mantive a minha consistência e sabia que no fim podia lutar com eles e podia ganhar a corrida. Consegui passar o Toprak, a minha saída na última curva foi mais rápida e consegui ganhar. Estou muito feliz”, confessou o piloto de 37 anos.

Pior foi para o turco, campeão em 2021, que viu a vitória escapar num espaço de segundos.

“Tentei o meu melhor na última volta, mas o Bautista passou-me na reta, ele estava muito rápido na reta e ganhou. Eu estava a lutar pela vitória, fiquei muito perto, mas não foi suficiente para conquistar a primeira posição. Amanhã (domingo) vou tentar novamente”, afirmou o turco no final.

Rea fez a 'pole position' e vencer a corrida era o principal objetivo do britânico, contudo, uma série de erros e travagens mal calculados atiraram o piloto da Kawasaki para o terceiro lugar do pódio.

“Estou muito feliz por estar no pódio. É importante para nós. Fizemos uma escolha diferente de pneus e isso refletiu-se no pneu traseiro. Foi muito bom no início, mas, assim que o 'grip' baixou, eu comecei a ter muitas dificuldades a entrar nas curvas. Tive um problema de travagem na curva 1 e perdi alguma pressão, cometi um erro e perdi o 'grip'. Estou no pódio, estou satisfeito e amanhã tentamos outra vez”, disse à entrada para o pódio.

A competição prossegue no domingo, com a sessão de Superpole marcada para as 11:00 e a corrida 2 com início marcado para as 14:00.

Nos SuperSport, vitória para o suíço Dominique Aegerter (Yamaha), que também reforçou a liderança no campeonato, tendo agora 120 pontos. O suíço terminou à frente de Baldassarri (Yamaha) e Bulega (Ducati), segundo e terceiros classificados, respetivamente.

Na SuperSport300, o português Tomás Alonso viu-se envolvido num incidente de corrida com outro piloto logo a seguir ao arranque. Os dois acabaram por cair e Alonso foi obrigado a desistir mais cedo do que o previsto.

“Tive um pequeno incidente de corrida, fiz um arranque bom, consegui recuperar algumas posições, mas cheguei à curva 1 com um piloto a tentar passar-me por dentro, acabou por forçar um bocadinho a travagem e caiu e ele, ao cair, como eu estava por fora, levou-me também”, explicou o jovem piloto de Odivelas.

Já Dinis Borges conseguiu terminar na 15.ª posição, numa corrida em que chegou a rodar em 11.º. Com o 'top 10' na mira, Borges deu tudo o que tinha aos comandos da Kawasaki Ninja 400 e a sua melhor volta acabou por ser melhor do que aquela que lhe tinha dado o 16.º lugar na qualificação.

“Foi uma corrida incrível. É a segunda vez que eu participo no campeonato do mundo e estar a lutar no grupo da frente, é um grupo de 20 pilotos a rodar no mesmo segundo, na mesma décima. Não é fácil, estive na 11.ª posição, depois caí algumas, porque o ritmo é muito elevado, mas estou bastante contente por ter pontuado e agora é tentar fazer melhor”, afirmou Dinis Borges.

O vencedor da corrida foi Marc Garcia (Yamaha), mas a direção de corrida foi obrigada a usar a tecnologia do 'photo-finish' para determinar quem teria chegado primeiro. A dúvida estava entre Garcia e Samuel Di Sora (Kawasaka), que conseguiram se afastar dos restantes sem grandes dificuldades. Em terceiro, ficou o 'pole-sitter' Yuta Okaya (Kawasaki).

A corrida 2 da SuperSport disputa-se às 12:30 de domingo, enquanto, às 15:15, entram em pista os pilotos da SuperSport300.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.