Hekki Kovalainen conhece bem Lewis Hamilton. O finlandês fez dupla com o inglês na McLaren no Mundial de Fórmula 1, e só tem elogios para o agora piloto da Mercedes.

"Ocasionalmente eu conseguia acompanhá-lo, mas ao longo da temporada eu tinha de forçar ao máximo em todas as sessões. Só consegues forçar até certo ponto antes de ficares sem energia e foi o meu caso. Não tinha margem suficiente para fazer os tempos e as corridas que ele fazia. O nível dele é tão alto que, mesmo para talentos como Verstappen, é preciso muito esforço, muita concentração, muita energia e nem todos aguentam", disse Kovalainen ao 'Talksport'.

Lewis Hamilton entrou na Fórmula 1 pelas mãos da McLaren e quase era campeão logo no ano de estreia. O inglês causou impacto na prova rainha de velocidade e cedo Kovalainen sentiu que não estava ao nível do colega de equipa.

"Naquela altura já era óbvio que ele ia ser bom, que um dia seria campeão do mundo, era bastante óbvio desde muito jovem e foi assim. Todos sabiam que ele era muito bom, um grande talento e muito dedicado em todos os aspetos. Está bem no topo. Talvez uma das razões pelas quais eu sempre me dei bem com Lewis, especialmente quando era seu companheiro de equipa, é que eu nunca me tornei uma grande ameaça para ele", afirmou.

Depois de anos na McLaren, Hamilton mudou-se para a Mercedes onde permanece até agora. Na equipa alemã só por uma vez não bateu os colegas de equipa. Nico Rosberg travou o reinado de Hamilton em 2016 ao sagrar-se campeão mas teve de ir lá dos seus limites.

"Rosberg teve de usar todas as ferramentas no seu arsenal para vencer Lewis e isso quase o matou. O próprio disse que não conseguiria ter feito outra temporada como aquela ou então estaria morto. Hamilton e Rosberg não se davam bem e penso que esse foi um dos motivos pelo qual Nico conseguiu resistir-lhe e fazer algumas coisas que não eram tão boas, mas provavelmente necessárias naquela batalha", recordou, antes de explicar o porquê de Lewis Hamilton manter-se no topo todos os anos.

"Lewis não é apenas talento bruto, há muitos pilotos talentosos por aí, mas acho que ele é uma combinação de talento e trabalho. Ele é muito determinado, se ele quer algo e tem isso como objetivo, está determinado a conseguir. Se jogasses golfe, ele estava determinado, queria vencer-te em tudo o que pudesse e esse é um dos seus pontos fortes dele. Acho que os contratempos que teve na vida o tornaram muito melhor a lidar com eles, muito mais do que qualquer outro. Não é apenas um piloto de corrida, é muito bom a mudar as coisas e voltar mais forte", elogiou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.