O piloto neerlandês Max Verstappen (Red Bull) venceu hoje o Grande Prémio de Abu Dhabi, somando o 19.º triunfo na 22.ª e última corrida da temporada, em que a Mercedes garantiu o vice-campeonato de construtores.

Verstappen cortou a meta em 1:27.02,624 horas, deixando o segundo classificado, o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) na segunda posição, a 17,993 segundos, com o britânico George Russell (Mercedes) em terceiro, a 20,328.

Em pista, até foi o mexicano Sérgio Pérez a cruzar a meta na segunda posição, mas o piloto da Red Bull foi sancionado com cinco segundos por ter causado uma colisão quando ultrapassou o britânico Lando Norris (McLaren).

Leclerc ainda deixou passar o mexicano para tentar fazer Russell perder mais de cinco segundos e evitar o pódio do piloto da Mercedes, mas a estratégia não deu resultado e a Mercedes garantiu mesmo o vice-campeonato entre os construtores, o que vale mais uns milhões de euros no final do ano.

Graças ao terceiro lugar de Russell e ao nono de Hamilton, a equipa germânico bateu os italianos, que erraram completamente na estratégia do espanhol Carlos Sainz. O madrileno foi forçado a ficar com pneus duros durante quase toda a corrida, sendo chamado às boxes a duas voltas do final para a troca obrigatória de composto, afundando-se em 18.º.

Com este resultado, viu-se ultrapassado também no mundial de pilotos pelo compatriota Fernando Alonso (Aston Martin), que graças ao sétimo posto da corrida de hoje terminou o campeonato em quarto, com os mesmos 206 pontos do que Charles Leclerc, ganhando no número de pódios face ao monegasco.

Lando Norris foi sexto, com 205 pontos, mais cinco do que Sainz, que termina o ano em sétimo, depois de ter estado grande parte da temporada à frente do seu companheiro de equipa.

Imune a todo este drama esteve, mais uma vez, o neerlandês Max Verstappen, que rubricou a 19.ª vitória da temporada, em 22 possíveis, ampliando o recorde de triunfos numa mesma época.

Graças à vitória de hoje, Verstappen, que já era tricampeão antes desta prova, isolou-se no terceiro lugar dos mais vitoriosos de sempre, com 54 triunfos, mais um do que o alemão Sebastian Vettel. Está a 37 do segundo, que é Michael Schumacher (91) e a 49 do recordista Lewis Hamilton (103).

O domínio de Verstappen este ano está patente no número de voltas lideradas. Foram 1.003 das 1.325 do campeonato, ou seja, 75,7% do total de voltas dadas. Em percentagem, apenas Jim Clark se aproxima, com 71,47% das 708 voltas do campeonato de 1963 (liderou 506). Em termos absolutos, o segundo é Sebastian Vettel, com 739 de 1.133, em 2011.

O campeonato termina com Verstappen campeão, com 575 pontos (hoje ainda somou um ponto extra pela volta mais rápida), com Sérgio Pérez em segundo, com 285, e Lewis Hamilton em terceiro, com 234.

Nos construtores, a Red Bull venceu, com 860 pontos, mais do dobro da segunda classificada, a Mercedes, que fez 409. A Ferrari foi terceira, com 406.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.