O piloto britânico George Russell (Mercedes) surpreendeu os favoritos e conquistou hoje a primeira ‘pole position’ da carreira, ao ser o mais rápido na qualificação para o Grande Prémio da Hungria, 13.ª prova do Mundial de Fórmula 1.

Russell, que hoje melhorou cerca de um segundo face ao tempo realizado nos treinos livres de sexta-feira, fez a sua melhor volta sobre o final, com o tempo de 1.17,377 minutos, destronando o espanhol Carlos Sainz (Ferrari) do primeiro lugar.

Sainz ficou a 0,044 segundos de Russell, com o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) em terceiro, a 0,190.

A sessão ficou marcada pelos problemas técnicos da Red Bull, que viu o mexicano Sérgio Pérez ser eliminado na Q2, não indo além da 11.ª posição da grelha, um lugar atrás do neerlandês Max Verstappen, campeão em título e líder do mundial, que também sofreu problemas mecânicos e não foi além do 10.º e último lugar da Q3, a derradeira fase da qualificação.

“Nada funciona”, queixou-se o campeão mundial, enquanto agonizava no último lugar da Q3.

Já Russell, que até fez o melhor tempo na Q2, surpreendeu na última volta, roubando a ‘pole position’ a Carlos Sainz quando o espanhol parecia inamovível do primeiro lugar.

“Estou nas nuvens”, admitiu o piloto 24 anos, sublinhando que estar na ‘pole’ “é um sentimento incrível”.

Russell sublinhou que a Mercedes tem “bom ritmo”, adiantando que “a Ferrari pareceu muito rápida na sexta-feira”.

Isso mesmo confirmaram os dois pilotos da equipa italiana, com Leclerc a sublinhar ter sentido “imensas dificuldades com os pneus”, embora acreditando ter “ritmo para a corrida”.

“Tenho estado melhor a cada qualificação. Pensei que iria fazer a ‘pole’, mas fugiu-nos no último setor. Parabéns ao George”, disse, por seu lado, Sainz, admitindo alguma desilusão.

O espanhol frisou que “o arranque e a gestão dos pneus serão a chave” da corrida de domingo, que terá 70 voltas.

O britânico Lando Norris (McLaren) foi o quarto classificado, numa pista em que a velocidade de ponta não é tão preponderante como noutros circuitos, pelo que os carros equipados com motores Mercedes não sofreram como de costume.

O francês Esteban Ocon (Alpine) foi quinto, imediatamente à frente do seu companheiro de equipa, o espanhol Fernando Alonso (Alpine).

Nota ainda para o sétimo lugar de Lewis Hamilton (Mercedes), a 0,765 segundos do seu companheiro de equipa, com o britânico a sinalizar alguns problemas com o DRS para explicar a diferença de andamento.

O GP da Hungria é a 13.ª prova do Mundial de Fórmula 1, que é liderado por Max Verstappen, com 233 pontos, mais 63 do que Leclerc, que é segundo.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.