O clássico no Dragão deixou o FC Porto na frente do Campeonato e deixou o Sporting na frente de uma depressão. São já cinco os pontos que separam os dois clubes no campeonato em apenas três jogos e vale a pena analisar cada um desses pontos.

Ponto 1 - O futebol é golo, o Sporting teve muita bola e boas oportunidades, mas na hora de picar o ponto foi o FC Porto a fazê-lo. O Sporting parece aquele amigo micro-ondas, que aquece para os outros comerem. O FC Porto está sempre ligado à corrente, com uma intensidade estilo furacão do Pacífico e o Sporting parece uma formação para adultos de rendas de bilros, ou seja, futebol muito rendilhado mas chatinho e pouco eficaz.

Ponto 2 - A azia é um tema sempre presente nos Clássicos. Nada melhor para a azia do que um bom Rennie em caixa verde. Os sportinguistas sempre que falam do FC Porto gostam de referir o termo "Fruta" mas desta vez comeram 3 melões difíceis de digerir. Poderiam até ter sido quatro, mas a Ministra da Saúde, para prevenir o entupimento das urgências, deu indicações ao VAR de que só poderiam ser três no máximo.

Ponto 3 - Os guarda-redes, diz-se na gíria do futebol que os grandes guarda-redes se veem nos jogos grandes. Neste aspeto Porro esteve incrível. É preciso muita coragem para expulsar um jogador depois de uma defesa daquelas. Mandou-se à bola com mais vontade do que se mandou à Margarida Corceiro. No outro lado, Diogo Costa convenceu todos os portugueses de que é o melhor guarda-redes português da atualidade, quer dizer, todos não, falta Fernando Santos. Ele está em tão boa forma e a proteger tão bem a baliza do FC Porto que a Control irá nomear o seu próximo preservativo de "DC99" com o slogan "DC99, para 90 minutos de puro prazer e proteção".

Ponto 4 - As opções no banco. Enquanto Sérgio Conceição tem à sua disposição um plantel equilibrado e com várias opções, estilo Cristiano Ronaldo na sua garagem a escolher qual a viatura que vai conduzir nesse dia para fazer inveja ao comum dos mortais, já com Rúben Amorim não é bem assim. Rúben Amorim olha para o banco como eu olho para a conta, limitada e com poucas opções. A diferença ontem entre Rúben Amorim e um educador de infância não será muita. Quase o consigo ouvir no banco dizer: "Ó Mateus Fernandes, devolve o brinquedo ao Ribeiro. Fatawu não se pode jogar ao berlinde com os apanha bolas, depois brincas com o Matheus Reis em Alcochete"

Ponto 5 - A tourada - Os Clássicos entre FC Porto e Sporting nos últimos tempos têm parecido reais touradas, mas não é preciso levar à letra. No final do jogo, Sérgio Conceição queixou-se que os adeptos não deveriam ter gritado "Olé" ao adversário, que deveriam ter respeitado o adversário. A Federação Portuguesa de Tauromaquia (PROTOIRO) emitiu um comunicado a desmentir o treinador portista em que explica que se os jogadores correm que nem cavalos, marram uns nos outros que nem touros e que se a assistência tem uma maioria com um QI inferior a uma bolota, estamos de facto na presença de uma tourada. O PAN veio mais tarde avisar a PROTOIRO que é errado apelidar as pessoas de animais, tem de haver mais respeito pelos animais.

Apresentados os cinco pontos que separam os dois clubes, podemos então concluir que o FC Porto está no ponto e o Sporting está no ponto de ter de contratar reforços até dia 31 de agosto.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.