Muito se tem falado da ação de Jorge Jesus no final do jogo V. Guimarães – SL Benfica. De vários ângulos, discute-se o que realmente aconteceu. Um ponto que não tem sido focado, e que desportivamente é muito interessante, é o real impacto que aquela atitude provocou e provocará no seu plantel.

Como irão os jogadores conviver e reagir depende em muito do castigo (no caso de se confirmar) que será aplicado ao treinador. E quais os contextos onde será cumprido. Mas não podemos descurar que a ação de Jorge Jesus com a polícia, seguranças e adeptos no final do jogo, já teve um impacto no interior da equipa. Porque todas as ações geram interpretações e outras ações. E o juízo de valor que cada atleta fez sobre o que aconteceu varia de atleta para atleta. Ou não existissem diversas realidades para os mesmos acontecimentos.

Percebe-se as palavras de Jesus sobre a situação. Não é difícil acreditar que se tratou de um ato genuíno. Não servindo isto de qualquer desculpa, leva-nos a pensar qual o perfil de líder que quer assumir e que na realidade assume. O que pensarão os seus atletas? Reconhecem-se naquelas atitudes? Podem até defende-lo, mas perceberão que o treinador não deve assumir aquele papel em pleno jogo? E qual o tipo de atleta que ficará motivado com aquela ação? Seria interessante ‘filmar’ a cara de todos os jogadores do SL e Benfica que foram assistindo em pleno final de jogo. 

A equipa sofrerá alguma consequência no desempenho? Em situações ditas normais, especialmente, do ponto de vista emocional, não! Mas em situações que coloquem os atletas e o treinador fora da sua zona de conforto, certamente que sim. Vamos estar atentos aos níveis de foco dos jogadores. Motivacionais. De agressividade durante o jogo. Na forma como irão interagir com Jorge Jesus durante os jogos, especialmente naqueles momentos que o treinador benfiquista gosta de gritar, gesticular, chamar constantemente à atenção de alguns atletas.

Por fim, do ponto de vista da política desportiva do clube também será interessante perceber como vai gerir esta situação. Existe uma tentativa de não incluir mais ruído, mas internamente, é fácil entender que a atitude de Jorge Jesus pode não ter agradado a todos os que querem um clube mais alinhado com outros valores.

Numa altura que a equipa vai com três vitórias consecutivas na Liga mais a vitória contra o Anderlecht, este caso seria certamente dispensável. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.