O treinador português José Couceiro justificou hoje a reviravolta na vitória frente ao líder Zenit com a confiança transmitida à equipa e algumas mudanças táticas.

O Lokomotiv Moscovo perdia em casa por 2-0, mas acabou por vencer por 4-2, num jogo em que o defesa português Manuel da Costa “bisou”, fazendo o 3-2 e o 4-2 final.

«Passei confiança aos jogadores, fiz uns pequenos ajustamentos táticos, pedi aos jogadores para adiantarem um pouco a pressão sobre o adversário e o resto foi o talento e o compromisso dos jogadores», disse o treinador.

Nas declarações à sua assessoria de imprensa, Couceiro aproveitou para elogiar Manuel da Costa, lembrando que conhece muito bem o jogador desde o tempo em que treinava a seleção de Sub-21.

«É um talento e é um jogador que nos vem ajudar (…). Foi bom para ele ter marcado estes dois golos, porque vai dar-lhe confiança e vai reforçar a sua posição no plantel e na equipa», acrescentou o treinador.

José Couceiro admitiu ainda que o Lokomotiv teve uma entrada fria no jogo e que isso teve a ver com o ambiente pesado em memória dos jogadores de hóquei no gelo que morreram num acidente de avião.

«O público cumpriu dez minutos de silêncio em memória das vítimas e isso afetou os meus jogadores, a minha equipa. Era, de facto, um ambiente muito pesado, que nos tirou alguma concentração», concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.