Após cerca de 20 anos como profissional, o guarda-redes Bruno Vale, da Oliveirense, terminou hoje a carreira de futebolista, definindo a internacionalização pela seleção nacional como “o maior momento” e expressou desejo em “continuar” na modalidade no futuro.

“Era o momento certo para o fazer. Este ano as coisas não me correram como eu pensava e já estava a sentir nível físico e psicológico que este era o momento. A pandemia [da covid-19] até deu para refletir bem e ajudou-me a tomar esta decisão. Não vou para novo e esta paragem deu para perceber que seria o momento”, afirmou o ‘guardião’, em declarações à Lusa.

Aos 37 anos, Bruno Vale ‘pendura as luvas’ com “vários pontos altos” na carreira, como ter sido campeão europeu de sub16, em 2000, campeão nacional com o FC Porto, em 2003/2004, “ter jogado na I Liga portuguesa, na Liga Europa, ir para o Chipre e ganhar troféus”, como três Taças e duas Supertaças.

“Mas o maior é ter sido internacional A. Fui internacional em 2003 e fui convocado para o Mundial 2006. Foi bom, mas depois veio a lesão e perdi essa convocatória de 2006, que me deixa sempre marcas”, contou.

Formado no FC Porto, foi consecutivamente emprestado ao Estrela da Amadora, União de Leiria, Varzim, Vitória de Setúbal e Belenenses, até ter assinado pela Oliveirense, em 2010/2011, tendo ficado por mais uma temporada e rumado ao Chipre, para representar o Apollon Limassol, de 2012 até 2019 e, nesta época, regressou a Oliveira de Azeméis.

“[A ida para a Oliveirense] foi um regresso a casa. Era uma prioridade regressar à Oliveirense e consegui fazê-lo para agradecer terem-me facilitado a saída para o Chipre. Foi uma forma de agradecimento e tinha vontade de terminar aqui também”, confessou, terminando a temporada com nove jogos disputados pelo emblema da II Liga.

No futuro, tenciona continuar no futebol, sem saber ainda o que vai fazer, mas admitiu existir um convite para trabalhar com o seu empresário “numa empresa de contratação de jogadores”, acrescentando que o futuro, em princípio, “vai passar por aí”.

“Chegou a hora, agradeço a todas as pessoas que trabalharam comigo, à minha família que sempre me apoiou, aos meus clubes e colegas que tive e agradeço-lhes por estes anos todos”, finalizou o guarda-redes.

Em comunicado, a Oliveirense agradeceu a “dedicação, empenho, profissionalismo, espírito de equipa e amor ao clube” demonstrado pelo guarda-redes, que realizou 77 jogos ao serviço do emblema.

“Desejamos-lhe coragem e boa sorte para o seu futuro. Os seus ensinamentos, boa disposição e atitude serão uma referência para todos nós. Obrigado Bruno!”, publicou o clube nas redes sociais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.