O futebolista internacional português Nani sensibilizou-se com a cerimónia antirracismo antes do início do jogo entre o Orlando City e o Inter Miami (2-1), da Liga norte-americana (MLS), e com a vontade que existe num mundo melhor.

"Queremos mudar o mundo. Queremos um mundo melhor, queremos que as pessoas olhem para os outros sem desigualdades. Não há diferença entre ninguém. Não deve haver discriminação, seja no futebol ou na sociedade. Penso que a atuação no início do jogo foi bonita. Foi um momento emocional para os que lá estavam”, considerou Nani, em declarações à sua assessoria de imprensa.

O extremo português, que foi o homem do jogo de quarta-feira à noite, com uma assistência e um golo nos descontos (90+7), que permitiram ao Orlando City vencer o dérbi, na retoma da MLS, falou na emoção que sentiu de “forma intensa”.

“Todos deviam parar por um minuto e pensar que todos nós podemos fazer para provocar alterações no mundo. Devemos pensar nos nossos filhos e no futuro deles, porque precisamos ensiná-los a comportar-se de forma correta, a serem pessoas melhores e a ajudar a criar um mundo melhor. E é este o meu pensamento sobre estes tempos difíceis", acrescentou.

Antes de se iniciar o jogo em Orlando, os jogadores das duas equipas, do Orlando City e do Inter Miami, cujo proprietário é David Beckham, ajoelharam-se no círculo do meio-campo, rodeados nas faixas laterais por outros, estes de camisolas e luvas pretas.

No centro do terreno, os titulares imitaram o gesto de Colin Kaepernick, quando em 2016 se começou a ajoelhar no futebol americano (NFL), em protesto contra a discriminação racial, e nas faixas laterais e no fundo outros, de várias equipas da MLS, de luvas negras, cerraram o punho e envergaram camisolas com inscrições como “silêncio é violência” ou “negro com orgulho”.

Um gesto carregado de simbolismo, que replicou também o dos americanos Tommie Smith e John Carlos, medalha de ouro e bronze nos 200 metros dos Jogos Olímpicos de 1968, que quando subiram ao pódio fizeram a mesma saudação, no ano da morte de Martin Luther King.

Os protestos contra a discriminação racial já tinham acontecido nas Ligas inglesa ou alemã, mais de um mês após a morte do afro-americano George Floyd, pressionado mais de oito minutos no pescoço pelo joelho de um polícia, mesmo depois de dizer que não conseguia respirar.

Em relação ao jogo, Nani não podia estar mais satisfeito: "Marcar um golo significa sempre muito para um jogador. Penso que qualquer jogador gosta de marcar golos para ajudar a equipa, mas obviamente o mais importante era o que queremos alcançar como grupo”.

A MLS, que foi suspensa em março devido à covid-19, arrancou, no complexo da Disney em Orlando, com seis grupos que apuram os dois primeiros e os três terceiros mais bem classificados para uma fase a eliminar: oitavos de final, quartos de final, meias-finais e final.

O torneio decorre entre 08 de julho e 11 de agosto, data prevista para a final.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.