O Tribunal do Trabalho de Zurique considerou adequada e justificada a destituição de Marcus Kattner da FIFA em 2016, quando exercia funções de secretário-geral interino, revelou hoje o organismo de cúpula do futebol mundial.

A FIFA congratula-se, em comunicado, pela decisão judicial, de 10 de março, quase cinco anos depois dos factos ocorridos, concluindo que “devido às infrações do dever de lealdade por parte de Kattner, seria inconcebível permitir-lhe continuar a trabalhar na FIFA”.

A decisão, ainda assim, é passível de recurso.

O antigo secretário-geral pedia uma indemnização de mais de nove milhões de euros, pela destituição, após um processo que baniu o antigo presidente Joseph Blatter e outros nomes.

Em 2016, o Comité de Ética da FIFA defendia que Blatter, Kattner e Jérôme Valcke receberam uma verba de oito dígitos em salários e bónus, num “esforço coordenado para enriquecerem”, entre 2011-2015.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.