“Quero voltar ao trabalho no dia 09 de janeiro e no dia 25 quero narrar o jogo entre o Joinville e a Chapecoense", assumiu em conferência de imprensa o locutor da rádio Oeste Capital de Chapecó.

Esse encontro, correspondente ao campeonato catarinense, será o primeiro da equipa brasileira desde o acidente aéreo de 29 de novembro, que causou a morte de 71 pessoas, na sua maioria jogadores (19), membros da direção e do corpo técnico da Chapecoense, além de 22 jornalistas.

Henzel chegou ao Brasil na terça-feira passada, juntamente com o lateral Alan Ruschel, outro dos sobreviventes, e ambos foram imediatamente internados no hospital de Chapecó, localidade sede da equipa, situada no estado de Santa Catarina, no sul do Brasil.

Os serviços médicos do hospital têm previsto dar alta a Henzel ainda hoje, no entanto, de acordo com o próprio jornalista, caso seja necessário, poderá ficar mais uma semana para recuperar-se a 100 por cento.

“Estamos a ganhar o jogo aos 45 minutos da segunda parte. Não podemos desfalecer”, acrescentou.

O locutor, que revelou ter mudado quatro vezes de lugar durante o voo, defendeu ainda que o acidente resultou de “uma falha humana” e confessou que ainda não ponderou se irá deixar de viajar com a equipa nos jogos fora da Arena Condá de Chapecó.

A 29 de novembro, a queda do avião da companhia boliviana Lamia perto de Medellín (Colômbia) causou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo a maioria dos jogadores da Chapecoense, dirigentes e jornalistas que acompanhavam a equipa de futebol brasileira, que se preparava para disputar a primeira mão da final da Taça sul-americana com os colombianos do Atlético Nacional.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.