O piloto Miguel Quiroga, que comandava o avião que caiu na semana passada causando a morte de 71 pessoas, tinha um mandato de prisão contra si por ter desertado da Força Aérea Boliviana, informou hoje o governo do país.

“O capitão Quiroga, que era o piloto do avião acidentado, tinha um julgamento pendente com a Força Aérea Boliviana, tendo, inclusive, um mandato de prisão contra si”, disse hoje o ministro boliviano da Defesa, segundo a agência estatal ABI.

De acordo com Reymi Ferreira, Quiroga e outros quatro militares que desertaram estão a ser processados por essa conduta, mas evitaram ser detidos com a apresentação de recursos legais de ordem constitucional.

O ministro explicou que os pilotos militares assumem o compromisso de, uma vez formados, não se retirarem da entidade até cumprirem com os anos de serviço militar estabelecidos.

Apenas em casos excecionais pode ser analisada a baixa de um militar, o que não aconteceu com Quiroga, que não tinha justificação válida.

A 29 de novembro, a queda do avião da companhia Lamia causou a morte a 71 das 77 pessoas que seguiam a bordo, incluindo a maioria dos jogadores da Chapecoense, dirigentes e jornalistas que acompanhavam a equipa brasileira, que se preparava para disputar a primeira mão da final da Taça Sul-americana de futebol com os colombianos do Atlético Nacional.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.