O treinador português Vítor Pereira afirmou hoje que a “dimensão” do Corinthians e a “paixão” dos adeptos foram decisivos para assinar pelo clube paulista de futebol, no qual pretende implementar “muita posse de bola e domínio”

“O que me motiva é o lado tático, técnico e estratégico do jogo, e a qualidade dos jogadores. Aqui, temos qualidade, é um campeonato com qualidade. Também me motiva a dimensão do clube e a paixão dos adeptos”, começou por dizer o técnico, em conferência de imprensa.

Na apresentação como novo treinador do ‘Timão’, Vítor Pereira destacou ainda o papel do presidente Duílio Alves: “A insistência do presidente, que me disse que queriam muito que fosse eu o treinador. Esse sentimento, essa insistência e, depois, senti que os adeptos também me queriam.”

O treinador, de 53 anos, confessou que ainda está numa “fase de avaliação” ao plantel e ao futebol brasileiro, mas salientou que pretende “criar um jogo que coloque os jogadores confortáveis e de acordo com as características deles”.

“Temos de tentar encontrar um equilíbrio entre a qualidade técnica que existe no plantel e a capacidade física da equipa. Ter um jogo em que sejamos dominantes com bola, com muita posse de bola e sermos muito agressivos na perda de bola”, transmitiu o antigo treinador de Santa Clara, FC Porto, Al-Ahli, Olympiacos, Fenerbahçe ou Shanghai SIPG.

Vítor Pereira, que se definiu como um “animal competitivo”, comentou igualmente a aposta recente dos clubes brasileiros em treinadores portugueses, como são os casos de Abel Ferreira, no Palmeiras, Paulo Sousa, no Flamengo, ou Jorge Jesus, que também orientou os cariocas.

“A competência não tem nacionalidade, idade ou cor. Ou se tem ou não se tem. Se eu fosse um treinador brasileiro, encararia a chegada de treinadores estrangeiros como uma oportunidade para perceber coisas novas. Eu próprio espero aprender com os treinadores brasileiros e acredito que também poderei trazer alguma coisa nova ao futebol brasileiro”, salientou.

Por outro lado, explicou por que assinou um contrato com o Corinthians apenas até ao final do ano: “Quando saí do FC Porto, fui para Arábia Saudita. No final do primeiro ano quis vir embora e, por isso, tive de pagar uma compensação pelo outro ano de contrato. Nunca mais quis fazer contratos de longa duração, porque preciso de chegar ao final da época e perceber se estou feliz e se o clube está feliz comigo.”

A estreia de Vítor Pereira à frente do Corinthians está marcada para sábado, no ‘clássico’ com o São Paulo, para o campeonato paulista de futebol.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.