O Swansea, equipa que milita no Championship (segundo escalão do futebol inglês), anunciou que vai ficar em silêncio nas redes sociais durante uma semana, assim como os seus jogadores e restante staff.

Este protesto surge depois de três jogadores da equipa, Jamal Lowe, Ben Cabango e Yan Dhanda, terem sido alvo de ataques racistas nas redes sociais durante as últimas semanas.

“Temos visto muitos dos nossos jogadores serem alvo de aberrantes ataques nas últimas sete semanas e sentimos que o certo é enfrentarmos juntos estes comportamentos que são uma praga no nosso desporto e na nossa sociedade como um todo”, pode ler-se num comunicado do clube.

“Enquanto clube, temos noção como as redes sociais podem ter impacto na saúde mental dos jogadores e do staff e esperamos que a nossa atitude possa colocar um foco nos efeitos destes abusos”, escreve ainda o Swansea.

Ao protesto também aderiram as equipas de sub-23, sub-18 e feminina.

Esta decisão do Swansea surge dias depois de Thierry Henry apagar todas as suas contas nas redes sociais, como forma de protesto contra o "enorme volume de racismo, bullying e tortura mental".

O antigo jogador do Arsenal e do Barcelona escreve que só volta às redes sociais quando as as autoridades forem "capazes de regular as plataformas com o mesmo vigor e ferocidade com que atuam quando infringes direitos de autor".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.