As reivindicações de forças nacionalistas bascas e catalãs que querem usar a final de sexta-feira da Taça do Rei espanhola em futebol para um protesto em defesa das línguas regionais e da independência está a causar polémica política no país.

Os protestos foram veiculados por organizações de defesa de seleções desportivas da Catalunha (Plataforma ProSeleções Desportivas Catalãs) e do País Basco (ESAIT) que querem que os adeptos dos finalistas, Atlético de Bilbau e FC Barcelona, protestem em Madrid e no estádio Vicente Calderón, palco da final.

As duas associações referidas pediram por isso, num protesto na segunda-feira em frente ao Congresso de Deputados, que os adeptos levem bandeiras independentistas catalãs (senyeras) e bascas (ikurriñas).

Já de si polémica, a reivindicação foi ampliada pela plataforma Catalunya Acció, que quer uma «assobiadela pela independência» no estádio Vicente Calderón durante o hino espanhol.

«Assobia pela língua, assobia pela liberdade, assobia pelas eleições, assobia contra o roubo e assobia pelo novo Estado catalão», defende a organização na sua página web.

A presidente do Governo regional de Madrid, Esperanza Aguirre, respondeu hoje aos protestos sugerindo que o jogo deveria ser suspenso e marcado para outro local à porta-fechada.

O objetivo, disse à Onda Cero, é que se repitam acontecimentos de há três anos, em Valência – quando jogaram as mesmas duas equipas – e se realize uma assobiadela ao príncipe Filipe ou durante o hino de Espanha.

«Os ultrajes à bandeira e ao hino são delito no Código Penal. Não se devem consentir e por isso, a minha opinião é que o jogo deve ser suspenso e realizado à porta fechada noutro local», afirmou.

Ainda que admita que a decisão possa causar «muita confusão», Aguirre afirma que este tipo de protestos «não se devem consentir».

«Este é o campeonato de Espanha. Esta taça era entregue pelo presidente da Republica quando havia República, por Franco quando estava Franca, e agora é a taça de sua majestade o rei. É a taça de Espanha», defendeu.

Aguirre disse que tem estado a pensar nessa possibilidade «há algum tempo», especialmente depois do ex-presidente francês Nicolás Sarkozy ter ameaçado fazer o mesmo se voltasse a haver assobiadelas durante a reprodução do hino francês em competições desportivas.

Esta final da taça de Espanha já esteve anteriormente marcada pela polémica depois do Real Madrid ter recusado que se usasse o Santiago Bernabéu, como estava inicialmente previsto, para acolher a final entre bascos e catalães.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.