A vida de Nelson deu uma grande volta, depois de ter sido agredido por Neymar há uma semana. O adepto do Rennes foi agredido pelo craque brasileiro na final da Taça de França, perdido pelo PSG para formação da Bretanha, numa altura em que os jogadores do campeão francês dirigiam-se para a tribuna para receber as medalhas de derrotados (derrota nas grandes penalidades, depois de 2-2 no tempo regulamentar).

Mas Nelson estaria longe de imaginar que a agressão seria o menor dos seus males, apesar da gravidade da situação. O adepto do Rennes resolveu desabar em entrevista ao jornal 'L´Equipe, onde explicou que deixou de sair de casa, após ser ameaçado por quatro pessoas.

"Colocaram a morada da minha casa nas redes sociais, isto já foi longe demais. Sou uma pessoa que ama a vida e há uma semana que não saio de casa. Se tiver de o fazer não vou sozinho. Quinta-feira quatro pessoas passaram em minha casa e ameaçaram-me dizendo: 'Da próxima vez que toques no Neymar verás o que fazemos'", contou.

Nelson resolveu falar para explicar que não tem nada contra Neymar. O adepto explica que nem apresentou queixa contra o jogador brasileiro como poderia ter feito.

"Resolvi falar para responder a todos os que me acusam de querer ganhar dinheiro com esta história. Não pedi um cêntimo oficial ou oficiosamente. Se quisesse tirar partido deste caso teria apresentado uma denúncia de imediato. E não o fiz. A única pessoa que decidi processar foi o colunista Pierre Ménès pelos comentários que fez sobre mim. Não aceito que possa sujar-me para defender os interesses de um jogador de futebol", frisou. "Nem eu nem o meu advogado comunicámos com o PSG ou com o Neymar. Não estou à venda. Qualquer compensação não me trará felicidade. Que poderia fazer com dinheiro de perder a minha honra?", questiona Nelson, de 28 anos.

O adepto do Rennes diz-se arrependido dos insultos aos jogadores do PSG e está disposto a reunir com Neymar para lhe pedir desculpas e encerrar o caso de uma vez por todas. Nelson quer voltar a viver a sua vida, algo que, garante, deixou de fazer.

"Claro que me arrependo do que disse, mas não foi uma provocação. Entre os adeptos ríamos e divertíamo-nos, é assim que acontece, dentro e fora do estádio. Lamento as palavras que dirigi aos senhores Verratti e Bufon. Mas o Neymar não devia ter reagido daquela forma. É um profissional, está habituado. Faz parte do trabalho dele, não é verdade? [...] Só peço para me reunir com ele para podermos resolver as coisas, para pedir desculpas e resolver tudo com um aperto de mão. Já imaginaram se tivesse sido eu a agredi-lo? O que teria acontecido? Quero andar na rua sem me cruzar com os ultras do PSG ou poder levar os meus pais à Torre Eiffel sem ser assaltado", pediu.

O órgão disciplinar da Federação Francesa de Futebol instaurou um processo a Neymar. O avançado brasileiro poderá apanhar oito jogos de castigo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.