O antigo internacional português Sérgio Conceição considera que «não se pode exigir» o título à seleção portuguesa de futebol no Euro2012, já que a atual equipa tem, por exemplo, menos soluções do que a do Euro2000.

«Neste momento, muito sinceramente, penso que não estamos assim tão fortes em termos de grupo e de soluções. Mas, temos jogadores fantásticos, que jogam nas melhores ligas e em grandes clubes. Temos a possibilidade de fazer algo de bom no Europeu, mas não se pode exigir que sejamos campeões da Europa», afirmou Sérgio Conceição numa entrevista à agência Lusa.

O antigo internacional foi um dos homens em destaque em 2000, na Holanda e Bélgica, ao marcar três golos à Alemanha, e recorda com «pena» a meia-final perdida com a França, vencedora com um “penalti de ouro” de Zidane, após mão de Abel Xavier.

«Foi pena, porque, nos últimos anos, talvez tenha sido a seleção mais forte em termos de grupo e de soluções que o treinador tinha. Foi pena, porque, se minutos antes tivéssemos feito um golo, e tivemos oportunidade para isso, tínhamos sido campeões da Europa... sem dúvida nenhuma», considerou.

Sérgio Conceição lembra que Portugal estava «com uma dinâmica de vitória muito grande, um espírito de grupo fantástico e os jogadores praticamente todos estavam no auge das suas carreiras e em grandes clubes da Europa», pelo que «foi pena não se ter conseguido chegar à final e dar sequência a isso no Mundial2002».

O treinador do Olhanense salientou a «grande criatividade» de jogadores como João Vieira Pinto, Figo, Rui Costa ou Sá Pinto, que deixavam a seleção com «um lote de jogadores fantásticos na frente», apoiados por Pauleta e o Nuno Gomes, e a defesa «muito coesa e fisicamente muito forte» com Fernando Couto ou Jorge Costa, à frente do guarda-redes Vítor Baía.

«Em termos do que é um grupo, e das soluções que tínhamos, se algum desses elementos faltasse, eramos mais fortes do que a seleção é neste momento», frisou.

A equipa de 2000 era, para Sérgio Conceição, mais forte do que a que chegou à final em 2004: «Penso que sim, apesar de essa seleção ser muito boa, com jogadores importantes como o Deco, o Ricardo Carvalho ou o Cristiano Ronaldo, que vieram dar uma nova alma a seleção e muito bem».

Como há 12 anos, Portugal está num grupo muito forte, com Alemanha, Holanda e Dinamarca, mas «tem condições para passar», até porque, tradicionalmente, apresenta «maior concentração e vontade quando defronta equipas mais fortes».

A tarefa será «muito difícil», mas «se estiver ao seu nível e fizer aquilo que sabe», Portugal «pode passar», sendo conveniente entrar bem, com os germânicos: «O primeiro jogo vai ser importante, porque, em termos de espírito de grupo, de dinâmica e moral, pode condicionar o resto».

Sérgio Conceição tem «excelentes recordações» do jogo com os germânicos no Euro2000, no qual selou o resultado (3-0) com um “hat-trick”, lembrando que «todas as vitórias dão uma alegria especial», mas que, «quando se marca e se é decisivo, dão um bocadinho mais».

«Ficou na história, por serem três golos num jogo da fase final e contra um adversário como a Alemanha. Para mim, foi verdadeiramente fantástico, mas tive outros jogos que me deram tanto prazer», afirmou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.