A Bélgica conseguiu hoje a sua primeira vitória no Euro2016 de futebol, ao bater a República da Irlanda (3-0), num jogo em que teve que esperar pela segunda parte para romper a ‘muralha’ irlandesa.

Um ‘bis’ do avançado Romelu Lukaku (48 e 70) e um golo do ex-médio benfiquista Axel Witsel (61) destroçaram a estratégia dos irlandeses, que, ao terem necessidade de abrir as linhas, após o golo inaugural, viram a Bélgica traduzir a sua superioridade.

Depois da derrota inaugural com a Itália (2-0) no Grupo E, foi a Bélgica quem mais procurou vencer em Bordéus, num duelo em que tomou conta do jogo desde o primeiro minuto, mas esbarrou na organização irlandesa.

O técnico Marc Wilmots fez mudanças em relação ao primeiro encontro, desde logo com as entradas de Meunier, Dembelé e Ferreira-Carrasco (saíram Ciman, Nainggolan e Fellaini), num ‘onze’ em que Hazard e De Bruyne tinham liberdade de ação.

Do lado da República da Irlanda, Martin O’Neill foi mais conservador, mas fez subir o lateral Brady, optando por Ward para defesa-esquerdo, e na frente tentou combinar Hoolahan com Shane Long, numa difícil missão de ter bola.

Mesmo com a Bélgica a tomar conta do jogo, a primeira parte não teve golos: Hazard, aos 21 minutos, com uma remate por cima da barra, e o central Alderweireld, aos 42, com o adversário a tirar em cima da linha, tiveram as melhores oportunidades.

Às insistências belgas respondeu sempre bem a Irlanda, até ao primeiro golo, num raro momento de contra-ataque, já na segunda parte, com De Bruyne a conduzir a bola pelo lado direito do ataque e a servir Lukaku, que, como um colocado remate à entrada da área, inaugurou o marcador, aos 48 minutos.

Mais do que a importância do golo, foi o momento-chave em que obrigou a Irlanda, que empatara na estreia com a Suécia (1-1), a subir no terreno, e a dar então espaço aos belgas, sobretudo a Hazard e De Bruyne na condução da bola.

O segundo e terceiro golos dos belgas surgiram no mesmo corredor direito.

Aos 61 minutos, Meunier ganhou terreno e serviu Witsel, que, sem marcação no centro da grande área, marcou de cabeça, e aos 70, foi Hazard, novamente numa bola ganha por Meunier no lado direito, a assistir Lukaku para o ‘bis’, aos 70.

A vitória deixa a Bélgica no segundo lugar do Grupo E, com três pontos, atrás da Itália, com seis, enquanto a Suécia e a República da Irlanda somam apenas um ponto.

Na terceira e última jornada, a Itália, já apurada para os oitavos de final, defronta a República da Irlanda e a Bélgica a Suécia.

Jogo no Estádio de Bordéus.

Bélgica – República da Irlanda, 3-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Romelu Lukaku, 48 minutos.

2-0, Axel Witsel, 61.

3-0, Romelu Lukaku, 70.

Equipas:

- Bélgica: Thibaut Courtois, Thomas Meunier, Toby Alderweireld, Thomas Vermaelen, Jan Vertonghen, Moussa Dembelé (Radja Nainggolan, 57), Axel Witsel, Eden Hazard, Yannick Ferreira-Carrasco (Dries Mertens, 64), Kevin De Bruyne e Romelu Lukaku (Christian Benteke, 82).

Selecionador: Marc Wilmots.

- República da Irlanda: Darren Randolph, Seamus Coleman, John O’Shea, Ciaran Clark, Stephen Ward, Glenn Whelan, James McCarthy (James McClean, 62), Jeff Hendrick, Robbie Brady, Wes Hoolahan (Aiden McGeady, 72) e Shane Long (Robbie Keane, 79).

Selecionador: Martin O’Neill.

Árbitro: Cüneyt Çakır (Turquia).

Ação Disciplinar: Cartão amarelo para Jeff Hendrick (42 minutos) e Thomas Vermaelen (49).

Assistência: 39.493 espetadores.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.