O Chelsea derrotou, este domingo, o Manchester United por 3-1 no Estádio de Wembley e garantiu um lugar na final da Taça de Inglaterra, onde vai defrontar o Arsenal, que na véspera bateu o outro conjunto de Manchester, o City, por 2-0.

O United, que não perdia há jogos no conjunto de todas as competições, acabou por ver essa série de invencibilidade quebrada no pior momento e a final da Taça de Inglaterra 2019/20, marcada para 1 de agosto, vai mesmo ser 100 por cento londrina. Bruno Fernandes foi titular e marcou o tento de honra dos 'Red Devils' já perto do fim, na transformação de uma grande penalidade.

O jogo começou com o Chelsea a ter mais bola, mas com poucos motivos de interesse nos minutos iniciais. O momento mais agitado dos primeiros 25 minutos terá sido mesmo quando Bruno Fernandes foi atingido 'nas partes intímas' por Azpilicueta, num daqueles lances bem dolorosos.

O United foi, ainda assim, a primeira equipa a criar real perigo, e pelo próprio Bruno Fernandes, à passagem da meia hora, num remate que obrigou Willy Caballero, guarda-redes do Chelsea, a aplicar-se para manter o nulo. Mas, numa primeira parte com poucas ocasiões de golo, os momentos dolorosos foram mesmo os mais marcantes. Aos 42 minutos, os dois centrais do United, Maguire e Bailly, chocaram cabeça-com-cabeça e o segundo, depois de vários minutos a ser assistido no relvado, teve de sair.

E, nos 11 minutos de desconto que o árbitro se viu forçado a conceder perante tantas lesões, o Chelsea acabou por inaugurar o marcador. Giroud antecipou-se à defesa do United e surgiu a desviar ao primeiro poste, num lance em que De Gea poderia ter feito mais e abriu o ativo.

E se, nesse lance, o guarda-redes espanhol ainda tem a desculpa de o desvio do avançado francês ter sido feito já na pequena área, no segundo golo do Chelsea, que abriu o segundo tempo, não tem desculpa. Mason Mount rematou rasteiro de longe, De Gea abordou mal o lance, ainda tocou na bola, mas esta acabou mesmo no fundo das redes.

O United acusou o 2-0 e o 3-0 surgiu não tardou. Num lance dividido com Rudiger, Maguire acabou por colocar a bola no fundo da própria baliza.

Estava tudo decidido e o melhor que o United conseguiu foi reduzir, a cinco minutos do fim.

Martial foi derrubado por Hudson-Odoi na grande área do Chelsea e Bruno Fernandes, chamado a converter a consequente grande penalidade, não perdoou, reduzindo para 3-1. Mas era demasiado tarde para o Manchester United...

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.