O treinador português ao serviço do Petro de Luanda, Alexandre Santos, disse hoje à Lusa que quer fazer história, começando por conquistar o Girabola, que lidera, com 58 pontos, faltando sete jogos por disputar.

“Tem sido muito positivo, temos conseguido, até ao momento, um registo de vitórias, de pontos, de golos marcados, um dos melhores de sempre do Girabola, podemos mesmo, quem sabe, se conseguirmos fazer os últimos sete jogos que faltam, ao nível do que fizemos até agora, vir a bater o recorde de pontos e de golos marcados, penso que seria um feito histórico e notável, mas, no entanto, temos ainda jogos muito difíceis”, disse.

Na opinião de Alexandre Santos, desde que assumiu o comando do Petro de Luanda, a equipa tem evoluído, e demonstra um futebol mais vistoso, comparativamente ao passado.

“Tem sido uma equipa que tem mostrado um futebol um pouco diferente em relação aos últimos anos, um futebol mais de controlo, mais de posse e matem os registos e cultura angolana de um futebol atrativo”, explicou.

Quanto ao jogo de sábado, em Luanda, diante do Mamelodi Sundowns, da África do Sul, referente à primeira mão dos quartos de final da Liga dos Clubes Campeões Africanos, o treinador português disse que os angolanos do Petro de Luanda estão preparados para o confronto, mas admite que a sua equipa é inexperiente, comparativamente ao adversário.

“Independente de termos ficado em primeiro ou segundo na fase de grupos, já sabíamos que jogaríamos com equipas muito fortes. Calhou-nos o Mamelodi Sundowns, uma equipa que tem ambição de ganhar a Liga dos Clubes Campeões Africanos, já foi campeã africana em 2016, mas nós também temos as nossas ambições. Estamos preparados para o jogo, embora a nossa equipa seja inexperiente, comparativamente ao adversário”, referiu.

Em relação ao desempenho da equipa angolana na Liga dos Clubes Campeões Africanos, Alexandre Santos disse ser muito positiva.

“O desempenho na Liga Africana é muito positivo, se olharmos para os golos marcados e sofridos há uma aproximação, devido ao último jogo, em que sofremos cinco golos. Em cinco jogos na fase de grupos, sofremos apenas três e marcamos nove, e tínhamos um dos melhores marcadores, o Tiago Azulão. Lembro que nas três últimas edições, a nossa equipa só fez um ponto e um golo, por isso com os números que alcançamos até aqui, com 11 pontos, nove golos marcados, termos ultrapassado um ‘gigante’ do futebol africano, como o Zamalek, e ficarmos na segunda posição, disputando a liderança do grupo com o Wydad, é muito positivo”, disse.

De acordo com o técnico luso, o trabalho a nível do clube angolano tem sido muito positivo a todos os níveis.

“Tem sido muito positivo a todos os níveis, a estrutura do clube, todo o ‘staff’ com quem tenho trabalhado, tem sido um trabalho excecional, tenho recebido um grande apoio, temos condições muito interessantes, temos um misto de treinadores angolanos e portugueses e temos trabalhado muito bem. Estou muito satisfeito com as pessoas e com toda a estrutura de apoio”, finalizou.

No Girabola, o Petro de Luanda lidera, com 58 pontos, a sete jogos do fim, e na Liga dos Clubes Campeões Africanos está nos quartos de final, fruto do segundo lugar alcançado na fase de grupos, com 11 pontos, atrás do líder Wydad de Casablanca, de Marrocos, que terminou, com 15.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.