Devido à dìvidas com a Federação de Futebol Angolana (FAF), a equipa do Recreativo da Caála foi impedida, este domingo, de disputar o jogo de abertura do Girabola 2019/20 com a formação do Santa Rita de Cássia.

A partida devia ser disputada às 15:00, no estádio municipal 04 de Janeiro, na cidade do Uíge, mas acabou não sendo realizada apesar da presença, no recinto de jogo, da formação da Caála e da população que afluiu ao local.

Em declarações à imprensa, o vice-presidente da Santa Rita, Jerónimo Manuel Fernandes, apontou como razões da não realização do jogo o não pagamento de uma dívida de quatro milhões de kuanzas (cerca de nove mil e 800 euros) à FAF, pela equipa do Uíge, fruto de dívidas contraídas com alguns jogadores e da expulsão de membros do clube na época passada.

“Apelamos a calma aos nossos adeptos. O jogo não foi realizado porque o clube tem casos pendentes na FAF”, disse, negando a informação que dá conta da não inscrição da equipa na FAF, na presente época.

Por sua vez, o presidente do Recreativo da Caála, Horácio Mosquito, lamentou o sucedido e defendeu a necessidade de resolução dos problemas administrativos, assim como espera uma tomada de posição da FAF.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.