O treinador do 1º de Maio de Benguela, Agostinho Tramagal, classificou a arbitragem de Mauro de Oliveira, após o empate 1-1 diante do Kabuscorp do Palanca, de "pouca-vergonha", por interferir no resultado final do jogo referente a 13ª jornada do Girabola/2018.

“Uma pouca-vergonha a arbitragem nacional. Golos mal anulados, mais três minutos já depois da compensação e três amarelos”, disse visivelmente agastado Tramagal, em protesto contra a actuação do juiz do jogo disputado no Estádio Nacional de Ombaka.

Acusando o árbitro de ter ajudado o Kabuscorp a chegar ao empate, o técnico mostrou-se ainda indignado com o facto de Mauro de Oliveira, proveniente de Luanda, ter aplicado três cartões amarelos, nomeadamente a Adi (51’), Moreira (66’) e Cristiano (76’), jogadores do 1º de Maio.

Agostinho Tramagal lembrou ainda que, há dias, foi alvo de um castigo injusto: “O que é que queremos do futebol nacional?” interrogou-se, apelando ao presidente do Conselho Central de Arbitragem da Federação Angolana de Futebol a primar por mais cautela na indicação dos árbitros.

Para ele, isto não pode continuar na mesma e exige-se verdade desportiva, visto que a actuação dos árbitros está a deitar por terra todo o sacrifício e esforço de algumas equipas em favor outras.

Este empate, segundo o timoneiro, traduz-se numa “autêntica roubalheira” e defendeu que os árbitros façam melhor o seu trabalho sem interferir nos resultados.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.