Um procurador de Salónica ordenou hoje uma investigação judicial ao dono do PAOK, Ivan Savvidis, que no domingo invadiu armado o relvado durante um jogo entre o seu clube e o AEK de Atenas.

O incidente, desencadeado após um golo anulado ao português Varela, aos 90 minutos, que garantia o triunfo ao PAOK, levou o governo grego a suspender o campeonato de futebol e à condenação por parte da FIFA.

O presidente do PAOK Salónica, Ivan Savvidis, entrou em campo armado, já em tempo de descontos, depois de o árbitro ter anulado um golo a Varela, que garantia o triunfo do PAOK e colocava a equipa na liderança da liga grega.

A investigação ao incidente pretende ainda clarificar porque é que a policia terá ignorado instruções para prender Ivan Savvidis no local.

Ivan Savvidis entrou no campo acompanhado de quatro guarda-costas, carregando uma pistola num coldre de cintura, para, aparentemente, se dirigir ao árbitro do encontro.

A polícia já emitiu um mandato de captura para Savvidis e para os guarda-costas. Segundo a polícia, Savvidis é procurado por violação de lei desportiva e não por ter entrado em campo armado, uma vez que possui licença de uso e porte de arma.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.