“Vi os dois jogos. Ganhou bem, jogou bem e com um espírito muito positivo. A crise terminou neste momento. Portugal volta a ser um candidato forte e importante para ganhar o grupo de qualificação”, realçou Mourinho, na conferência de imprensa de antevisão do embate com o Málaga, para a Liga espanhola.

Mourinho, que aceitou o convite federativo para orientar a selecção portuguesa, mas viu a sua intenção negada pelo seu clube, o Real Madrid, desvalorizou a importância da carta que escreveu para explicar as razões pelas quais não poderia ser seleccionador.

“A carta é de um português normal, não de um treinador. Um português que gosta que o seu país esteja bem e que a sua selecção faça as coisas bem”, sublinhou.

Em relação ao embate de sábado em Málaga, Mourinho disse esperar que a equipa consiga “a normalidade fora de casa”, depois dos empates em casa do Maiorca e do Levante, mas alertou para os perigos de uma equipa como o Málaga, aproveitando para elogiar o seu compatriota Jesualdo Ferreira.

“Empatámos com o Maiorca e o Levante. Não é um registo que me encante, mas tampouco me preocupa demasiado, porque devíamos ter ganhado e marcado muitos golos. Por isso, espero que fora de casa chegue a normalidade. Quando uma equipa joga como nós, o normal é marcar”, afirmou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.