Arthur Melo, contratado pelo Barcelona no verão passado, concedeu uma entrevista ao portal Globoesporte, onde elogiou o teceu grandes elogios ao colega de equipa Lionel Messi.

"Houve duas coisas que me chamaram a atenção. Primeiro, a forma dele ser. Eu não imaginava, não tinha a menor ideia de como ele era na vida pessoal, o que ele fazia, as suas qualidades e defeitos. O que mais me impressionou foi a pessoa que ele é, o que representa para os outros e a maneira como encara essa responsabilidade", começou por dizer.

"Segundo, eu já o achava o melhor do mundo há muito tempo. Isso é indiscutível. Cada um tem a sua opinião, mas quem realmente entende de futebol vê as diferenças dele para os outros. No meu primeiro treino no Barcelona, o que eu o vi fazer foi incrível. No segundo pensei: 'Caraças, ele conseguiu ser melhor que no treino anterior'. É assim todos os dias. É impressionante. Ele surpreende-te a cada treino e a cada jogo. Saio de todos os treinos a dizer que ele é realmente o melhor. Ele não pára, é uma jogada diferente todas as vezes e é um privilégio estar ao lado dele", acrescentou.

O médio brasileiro, que vive a sua primeira experiência na Europa,  assume que há dois jogadores com quem mais se identifica: Xavi e Iniesta.

"Desde criança que me encantava a forma como eles recebiam a bola e giravam com facilidade. Parece que tinham olhos nas costas. E como acertavam os passes entre linhas. Então eu chutava a bola na parede e quando ela voltava tinha que girar com um toque só na bola. Eu ficava horas e horas, girava para o lado direito, recebia do esquerdo e tocava com o direito. Comecei na brincadeira, não a pensar em ter essa qualidade e ser jogador. Muitos miúdos treinavam etásticos, pedaladas, mas a mim encantava-me receber a bola, girar só num toque. Era a minha maneira de gostar de futebol", revela.

Por fim, Arthur destacou a amizade que mantém com Neymar, que foi crescendo na seleção: "Ele é uma das principais pessoas a quem devo agradecer. Eu não o conhecia, só o admirava enquanto profissional, e desde que fui para a Seleção vi que ele ajuda a equipa toda. Não se importava com o ego. O Tite depositou confiança no Neymar ao entregar-lhe a faixa capitão, e ele sempre lidou com isso com responsabilidade. Importou-se sempre com o nosso bem-estar, e isso deixou-nos muito confortáveis. Somos grandes amigos."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.