O jornal espanhol 'El Mundo' escreve esta sexta-feira que a Autoridade tributária espanhola vai devolver dois milhões de euros a Cristiano Ronaldo. Assim, o internacional português não vai pagar 18,8 milhões de euros ao fisco espanhol mas sim 16,7.

Segundo esta fonte, a redução do valor a pagar resulta do facto de se ter chegado à conclusão de que Cristiano Ronaldo tinha liquidado 2,1 milhões de euros como IVA em Espanha pela cedência de direitos de imagem ao empresário Peter Lim sem que estivesse obrigado a fazê-lo.

O 'El Mundo' explica ainda que Cristiano Ronaldo já pagou 13,4 milhões dos 18,8 milhões de euros a que foi condenado e que tinha-se disposto a pagar a restante quantia nas próximas semanas. Com esta decisão, o acordo entre o disco espanhol e CR7 fica fechado por "apenas" 16,7 milhões de euros.

A Agência Tributária espanhola considera que Ronaldo cedeu em dezembro de 2014 a exploração dos seus direitos de imagem em Espanha às sociedades Arnel Services S.A e Adifore Finance, LTD, localizadas nas Ilhas Virgens Britânicas e propriedade, através da empresa Mint Media, do empresário Peter Lim, proprietário de Valência.

O objetivo do português com esta venda era potenciar a a presença da sua imagem em território asiático. As autoridades tributárias espanholas consideraram que a operação "não está sujeita ao IVA por se tratar de prestações de serviços localizadas fora do território de aplicação do imposto". Tendo em conta que Cristiano Ronaldo pagou o IVA que seria correspondente à transação, o fisco procede agora à devolução de 2.094.200,72 euros.

Tendo em conta que esta transação não estava sujeita à lei espanhola e que Ronaldo fez uma declaração complementar em janeiro de 2017, referente ao ano de 2014, e pagou o IVA da referida transação, o Tesouro espanhol procedeu à sua devolução.

"Dado o relevo mediático que se gerou em relação às minhas questões tributárias e com a intenção de que não resta nenhuma dúvida da minha intenção de cumprir integralmente com as minhas obrigações fiscais e ser totalmente transparente com a administração fiscal espanhola", justificou o jogador português ao fisco, através dos seus advogados.

Com esta devolução e o restante pagamento que ainda terá de ser feito por Cristiano Ronaldo, resta apenas ao jogador agora da Juventus declarar-se culpado de quatros delitos fiscais perante a Audiência Nacional para que o acordo com o fisco espanhol fique totalmente saldado.

Ainda de acordo com o jornal, Ronaldo foi condenado a dois anos de prisão que não terá que cumprir, já que as penas até dois anos não são geralmente aplicadas, tendo a sentença sido comutada numa multa pecuniária de 350 mil euros.

Cristiano Ronaldo chegou a acordo com o fisco espanhol em meados de maio. O português  reconheceu ter cometido quatro crimes fiscais, vai pagar a multa já referida e será condenado a dois anos de prisão de pena suspensa -  seis meses por cada um dos delitos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.