O esquema de resultados combinados não se resumiu a um jogo. O clube espanhol terá planeado o mesmo crime em mais quatro encontros, para além da partida com o Barcelona B.

Segundo avança o programa El Partidazo, da rádio espanhola COPE, que cita fontes da investigação deste caso, as quantidades apostadas nos jogos do Eldense oscilava entre os 200.000 e os 500.000 euros por partida.

São eles o jogo com o Villareal B, Atlético Baleares, Cornellá e o Gavá.

18-02-2017 Villarreal B-Eldense: Apostou-se que a partida teria um mínimo de três golos e uma diferença entre ambas as equipas de mais de dois golos.

Resultado: Villareal B 4-0 Eldense e 60 mil euros para cada jogador implicado.

5-03-2017 Atlético Baleares-Eldense: Apostou-se que existiria um mínimo de três golos e uma diferença de mais de dois golos entre ambas as equipas.

Resultado: Atlético Baleares 5-0 Eldense e 60 mil euros para cada jogador implicado.

O jogo entre o Cornellá e o Eldense resultou numa separação das duas máfias, que querem ganhar mais dinheiro. Os chineses apostam num 2-0 ou 3-1 ao intervalo. Os italianos percebem o esquema, o que faz com que Nico Chafer e outro jogador implicado no esquema a ficarem no banco de suplentes, por ordem de Nobile Capuani, líder de um fundo de investimento italiano e que está envolvido nos resultados combinados.

A máfia italiana aposta então num 3-0 ao intervalo (cumpriu-se) e um 4-1 no final (não se cumpriu). As apostas chegavam a tal ponto que, na primeira parte, sempre que um jogador do Eldense não envolvido no esquema tentava marcar golos, supostamente alguns jogadores do Cornellá envolvidos diziam "agora não, idiota. Mais tarde".

E quando Mendy, um jogador do Eldense, derruba um jogador isolado do Cornellá que ia marcar golo nos descontos e acaba expulso, dizem: "era o 4-1, idiota. O que é que fizeste? Era o 4-1". Os italianos, os chineses e Nico Chafer perdem dinheiro com o jogo, que terminou 3-1.

26-03-2017 Eldense-Gavá: Apostou-se num 0-0 ao intervalo e um 0-1 no final.

Resultado: O golo do Gavá chega na primeira parte e todos voltam a perder dinheiro. À saída do balneário há alguém que diz: "Capuani deve-me 50 mil euros. E eu vou cortar de acima abaixo. Eu vou cortar", referem relatos da investigação.

Chega então o 12-0.

1-04-2017 Barcelona B-Eldense: Voltam a separar-se os dois grupos e só apostam na Ásia, sendo que na Europa só soam os alarmes quando surgem as denúncias do presidente do Eldense e de Cheikh Saad.

A máfia italiana, para não ficar para trás, aposta numa diferença de quatro golos e meio entre as duas equipas. Ganham bastante dinheiro.

Mas Nico e os chineses apostam num 8-0 ao intervalo e mais três apostas até ao final da partida: diferença de 9,5 golos, de 10,5 golos e de 11,5 golos. Todos se cumprem e cada jogador implicado ganha 150 mil euros. A máfia chinesa fica milionária.

Conheça alguns dos nomes envolvidos neste esquema de corrupção:

Nobile Capuani: líder do fundo de investimento italiano


Filippo Vito di Pierro: treinador italiano


Fran Ruiz: treinador-adjunto

Nico Chafer: jogador do Eldense

Maiki Fernández: jogador do Eldense

Guille Smitarello: jogador do Eldense

Há mais jogadores implicados, um familiar dos detidos, um cidadão de nacionalidade chinesa residente da área e devem existir mais detenções no desenrolar do processo, revela a rádio espanhola.

Recorde-se que, no passado fim de semana, o Barcelona B venceu o Eldense por 12-0. O resultado elevado acabou por ser um resultado combinado, depois da denúncia do presidente do Eldense e do jogador Cheikh Saad, que relataram a situação

O Eldense é o último classificado do Grupo 3 do terceiro escalão espanhol e já não se livra da despromoção.