O futebolista do FC Barcelona Leonel Messi realizou nos últimos dias declarações complementares às finanças espanholas referentes aos anos de 2010 e 2011, pagando mais 10 milhões de euros, segundo o jornal La Vanguardia.

Segundo a mesma publicação, a notícia é confirmada por fontes “informadas” do caso, que referem que Messi poderá estar a tentar chegar a acordo com a Fazenda Pública para devolver quantias reclamadas num processo judicial em curso, correspondentes aos anos entre 2007 e 2009.

As fontes citadas referem que Messi assume que tem que cumprir com o fisco no que toca à questão dos pagamentos dos seus direitos de imagem e que procura um acordo que permita clarificar o que ocorreu com as declarações dos três anos sob investigação.

Na semana passada, Leonel Messi e o seu pai, Jorge, foram constituídos arguidos por fraude fiscal, e deverão ser ouvidos em tribunal no próximo mês de setembro.

Um juiz do tribunal de instrução número 3 de Gavá (Barcelona) admitiu assim a trâmite a queixa contra os dois, apresentada apela Procuradoria de Delitos Económicos pelo desvio de mais de quatro milhões de euros à Agência Tributária entre 2006 e 2009.

Segundo o processo, citado pela imprensa espanhola, a estratégia consistia, alegadamente, em simular ceder os direitos de imagem do avançado argentino a sociedades radicadas em paraísos fiscais (Belize e Uruguai).

Paralelamente, formalizava contratos de licença, agência ou prestação de serviços com outras empresas com sede em países como o Reino Unido e a Suíça.

As receitas do futebolista passavam assim destes países europeus para as sociedades com sede nos paraísos fiscais, praticamente sem pagar impostos e com "total opacidade" relativamente à Fazenda Pública.

O jogador negou qualquer irregularidade nas suas contas, tendo os seus advogados manifestado estar firmemente convictos da inocência do seu cliente.

«Acreditamos convictamente na inocência do nosso cliente», começou por dizer em comunicado o advogado Juarez Veciana.

O mesmo representante legal acrescentou ainda que Messi pagará qualquer verba que a justiça venha a considerar, mas que a convicção é a de que o jogador «já pagou tudo aquilo a que estava obrigado».

De acordo com a imprensa espanhola, em caso de condenação, o futebolista internacional argentino e o seu pai podem enfrentar uma pena de prisão até seis anos e uma pesada multa.

«Respeitamos e aceitamos as decisões judiciais e estamos disponíveis para ajudar a resolver este assunto e a estabelecer a verdade», referiu ainda o advogado, sublinhando estar certo de que o inquérito clarificará as coisas.

Segundo a queixa do procurador entregue no tribunal, Messi prejudicou o Estado ao ceder os direitos de imagem a companhias sediadas em paraísos fiscais, como o Belize e o Uruguai, e para que não pagasse os impostos em Espanha.

Na mesma acusação é referido que o jogador e o seu pai negociaram direitos na Grã-Bretanha e na Suíça, assegurando que os proveitos iriam diretamente para paraísos fiscais e fugindo assim ao fisco espanhol.

As receitas de imagem do jogador incluem contratos com o FC Barcelona, Banco Sabadell, Danone, Adidas, Pepsi, Procter & Gamble e a Kuwait Food Company.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.