Raúl de Tomás é um dos nomes que mais tem sido presença habitual nas conferências de imprensa de Bruno Lage e o assunto repete-se: a falta de golos do espanhol na Luz.

Chegado ao Benfica durante o mercado de verão e com o peso de ser a 2.ª transferência mais cara do clube (e do futebol português), fez o seu primeiro jogo na Supertaça contra o Sporting onde os encarnados deram ‘chapa 5’ aos ‘leões’, mas nenhum dos golos foi do espanhol. E o nome continuou a ficar de fora da lista de marcadores desde daí.

Segundo dados revelados na edição esta sexta-feira do jornal ‘O Jogo’, já são 533 minutos que ‘RDT’ leva em branco de ‘águia’ ao peito.

É a segunda maior seca de um avançado em estreia na Luz, só ultrapassado por Derlei em 2006/2007: o brasileiro demorou 667 minutos a marcar o seu primeiro (e único) golo pelos encarnados.

As estreias a seco não são novidade nas ‘águias’, com o caso de Cardozo a servir de exemplo que nem sempre o tempo é premonição de poucos golos: demorou 368 minutos (pouco mais de quatro jogos) a marcar o primeiro golo, mas compensou marcando mais 171 golos nas 293 partidas que realizou.

O que preocupa é o tempo que esta a demorar: entre competições nacionais e Champions, Raul de Tomás já vai com sete jogos sem fazer o gosto ao pé.

Mas a seca torna-se severa que analisarmos o período pré-Benfica: no Rayo Vallecano (onde alinhou antes de chegar a Lisboa) o avançado marcou o último golo em abril, o que somando com os sete jogos em branco na Luz, totaliza 898 minutos sem marcar em jogos oficiais.

Resta saber se a seca se vai manter, com o espanhol a atingir um novo recorde que ninguém quer alcançar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.