Mais remates, mais remates enquadrados, mais oportunidades de golo, uma bola nos ferros. A superioridade do FC Porto diante do AC Milan está nos números, numa noite que os Dragões ameaçaram voltar a calar San Siro mas só saíram de lá com um ponto. O autogolo de Mbemba impediu novo triunfo azul e branco no terreno do Milan, 25 anos depois de Jardel e companhia terem colocado os milaneses em sentido na sua casa.

Nem tudo foi mau na 4.ª ronda da Champions já que o Liverpool venceu o Atlético Madrid (2-), garantiu o apuramento e o primeiro lugar do Grupo B e recebe o FC Porto na próxima ronda já com quase nada para disputar. Uma vitória em Anfield aliada a uma derrota dos colchoneros diante do Milan apura os Dragões. Mas tudo deverá decidir-se na última ronda, na receção do FC Porto ao Atlético Madrid, no Dragão. O Milan, com um ponto, ainda tem uma palavra a dizer nas contas do grupo.

As melhores imagens do AC Milan-FC Porto

O Jogo: A traição de Mbemba

"O FC Porto merece crédito […] É uma equipa forte, conseguiu grandes resultados nos últimos cinco encontros fora de casa e eliminou a Juventus da Liga dos Campeões na época passada". Estas foram algumas das palavras do técnico Stefano Pioli, na sua análise ao empate diante do FC Porto.

O crédito que o técnico do AC Milan depositou na conta do FC Porto não foi suficiente para agradar a Sérgio Conceição, desiludido com o empate. "Não estou contente, detesto estas vitórias morais, jogámos bem e depois levámos um ponto", detalhou o técnico azul e branco, no pós-jogo.

Antes do apito inicial do árbitro Clément Turpin, um empate do FC Porto em San Siro diante do líder da Série A nem seria um mau resultado. Alguns poderão argumentar que este não é o Milan de antigamente, e com razão. Mas esta equipa de Pioli lidera a Liga Italiana, onde ainda não perdeu, apesar na Champions só agora ter somado um ponto. E convém recordar que só perdeu com o Atlético Madrid quando jogava com menos um (sofreu o empate aos 85 e o golo da derrota aos 97) e esteve a vencer o Liverpool em Anfield Road (viria a perder por 3-2).

Num palco onde o FC Porto já foi feliz em duas ocasiões (vitórias por 1-0 em 1980 e 3-2 em 1996, todos para a Taça/Liga dos Campeões), os Dragões vestiram o 'fato europeu' e 'secaram' o AC Milan, principalmente no primeiro tempo. Com uma pressão em todo o terreno e uma intensidade muito alta, com e e principalmente sem bola, o FC Porto bloqueava as saídas dos italianos, ao impedirem o criativo Brahim Diaz de ter bola, e não dando tempo para respirar a Bennacer e Tonali. João Mário e Zaidu estavam em cima de Alexis Saelemaekers e Rafael Leão, o que obrigava a equipa milanesa a esticar várias vezes o jogo para Giroud, bem marcado por Mbemba e Pepe.

Da pressão constante, o FC Porto ganhou várias bolas ainda no meio-campo defensivo, criando perigo. Foi assim que fez o golo, por Luis Diaz, após grande recuperação de Grujic sobre Bennacer.

Veja o golo de Luis Diaz!

Mas as bolas paradas eram também uma arma a explorar. A equipa azul e branca criou várias situações de perigo e só não marcou porque o guardião Ciprian Tatarusanu esteve em bom plano.

Claro que tanta pressão e intensidade do primeiro tempo seriam impossíveis de manter no segundo tempo, e aí o FC Porto teria de ser inteligente na hora de gerir o ritmo do jogo.

E foi assim que o Milan foi crescendo na partida, embora sem incomodar Diogo Costa, exceto num tiro de Giroud que o jovem guardião defendeu com mestria, no primeiro tempo. No segundo tempo, chegou o empate numa infelicidade de Mbemba.

Veja o golo do AC Milan!

Mesmo sem o fulgor do primeiro tempo, os Dragões estiveram mais perto da vitória. Evanilson teve a melhor oportunidade do segundo tempo, num cabeceamento à barra.

A equipa circulava com calma e precisão no meio-campo adversário, atacava a baliza contrária sempre que a oportunidade surgia mas, acima de tudo, não permitia ao adversário ter bola.

Os números finais espelham bem a superioridade azul e branca: mais remates (11 contra 8), mais remates enquadrados com a baliza (cinco contra dois), mais ações no meio-campo do adversário (19 contra 8), de acordo com os dados estatísticos do 'GoalPoint'.

Na próxima ronda, poderá chegar a qualificação para os oitavos de final: os Dragões jogam com o apurado Liverpool (garantiu o 1.º lugar do Grupo B), o Atlético recebe o AC Milan. Uma vitória azul e branca e outra milanesa apuram os Dragões, caso contrário, tudo irá decidir-se no último jogo, na receção aos colchoneros no Dragão.

Momento-chave: 2-0 foi devolvido pelo ferro

Numa altura em que AC Milan estava a crescer no jogo, o FC Porto 'respirou' num lance de bola parada: Sérgio Oliveira meteu em Pepe, o central colocou na área onde aparece Evanilson a cabecear à barra. O 2-0 podia matar o jogo. Logo de seguida, o AC Milan empatou.

AC Milan-FC Porto: Evanilson atira à barra
AC Milan-FC Porto: Evanilson atira à barra créditos: AFP or licensors

Os Melhores: Luis Diaz endiabrado, Grujic em todo o lado

Luis Diaz voltou a brilhar na Champions com mais um golo, mas mostrou-se na maior montra do futebol mundial com outros pormenores de classe. É um dos melhores jogadores do FC Porto e está num grande momento de forma, que vem desde o verão, na Copa América.

Grujic nem era para ir a jogo mas a lesão de Uribe abriu-lhes as portas para uma das melhores exibições com a camisola azul e branca. O sérvio esteve em todo o lado, principalmente no primeiro tempo. Ao intervalo somava dois desarmes (num deles roubou a bola e assistiu Diaz para o 1-0), sete ações na área adversária, quatro remates e uma eficácia de passe de 95 por cento (dados do GoalPoint). O amarelo que viu logo no início do segundo tempo condicionou a sua ação em campo.

Em tarde/noie 'não': Milan a sofrer em casa

Apesar de jogar em casa perante os seus adeptos, o AC Milan nunca conseguiu encontrar formas de superiorizar-se ao FC Porto. Em alguns momentos até conseguiu sair em contra-ataque, com superioridade numérica, mas os jogadores decidiram quase sempre mal. O primeiro remate da equipa só surgiu aos 32 minutos, a equipa apenas fez dois remates enquadrados com a baliza de Diogo Costa em mais de 90 minutos de jogo. É pouco para o líder da Liga Italiana. Mérito do FC Porto.

Reações

Sérgio Conceição: "Não estou contente, detesto estas vitórias morais"

Reações dos portistas: Luis Diaz elogia preparação do jogo, Evanilson queria mais

Rafael Leão sublinha que o Milan ainda está na luta, Pioli queria a vitória

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.