Vítor Pereira assumiu no final do encontro que a equipa mostrou intranquilidade e que «não foi uma exibição conseguida».

«Quisemos fazer tudo muito depressa, sem paciência a circular a bola. Esta [Apoel] não é uma equipa qualquer. É muito rápida e não é fácil passar pela defesa», sublinhou o técnico no flash interview à Sport TV.

O treinador portista salientou que «o grupo está em aberto» e que esperava recuperar «a confiança» perdida em São Petersburgo, frente ao Zenit.

«Esperava que essa confiança existisse com um bom jogo, que não aconteceu. O grupo está complicado. As equipas são muito iguais. Este Apoel provou aqui porque venceu o Zenit e o Shakhtar. Vamos ao Chipre para vencer», frisou.

«O APOEL conseguiu fazer aqui esta noite o que fez com o Zenit e o Shakhtar. Para evitar isso, precisávamos de atrair o APOEL para poder circular com velocidade, aumentando na circulação da bola, mas não fomos capazes. Não conseguimos dar uma resposta à altura ao que este jogo exigia. Tivemos muita posse de bola, mas de forma inconsequente, assim como muitos cruzamentos», disse o treinador do FC Porto, em conferência de imprensa no Estádio do Dragão.

«Não encontrámos antídoto para este APOEL. Mas contra o Nacional [jornada 8 da I Liga] vamos dar a melhor resposta», atirou.

O FC Porto empatou a um golo com o Apoel, no estádio do Dragão.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.