Em entrevista ao jornal belga 'Het Laatste Nieuws', Romalu Lukaku revelou a mágoa que sente para com André Villas-Boas, uma mágoa que vem desde os tempos em que o técnico português treinou o Chelsea em 2011. Em causa está a conquista da Champions pelos 'Blues' no final da época 2011/2012 já com Di Matteo aos comandos da equipa, competição na qual o belga não foi inscrito pelo português.

"Di Matteo diz«sse-me que eu ficava com a equipa até depois da final. Ele entendeu que todos deveriam de estar presentes, incluindo aqueles que estavam suspensos e os poucos jovens que não integravam a equipa da Liga dos Campeões. Sou-lhe agradecido por isso. Aquela vitória era algo com que sempre tinha sonhado (...) Estava feliz pelo clube, mas havia um homem que me tinha tirado aquele momento: o treinador anterior. Nunca vou perdoa-lo por isso", contou.

Lukaku afirma mesmo não ter sequer tocado no troféu da Liga dos Campeões conquistado pelos londrinos.

"Não lhe toquei com um dedo, porque, pessoalmente, eu não ganhei esse troféu. É assim o meu comportamento, desde que tinha 11 anos. Se não contribuí com nada, não é um troféu meu", disse.

O avançado belga contou ainda as dificuldades que sentiu com o técnico português, admitindo, contudo, que também Villas-Boas estava sob pressão.

"Uma vez pôs-me a jogar como extremo-esquerdo e outra como extremo-direito. Assim não consegues desenvolver-te. Então, em determinada altura, tens de pensar em ti. Disse ao clube o que achava disso. Eu sei, Villas-Boas também estava sob pressão. Mas era por isso que não me devia de tratar daquela forma", concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.