O treinador português José Mourinho classificou hoje de “icónico” o episódio de alegado racismo do quarto árbitro no jogo Paris Saint-Germain-Basaksehir, da sexta jornada da Liga dos Campeões de futebol, que levou à sua interrupção.

"Um jogo da Liga dos Campeões ser interrompido aos 14 minutos pode tornar-se em algo icónico e não deve acontecer novamente. Lamento muito que isso tenha acontecido no meu desporto e estou muito triste, porque não queremos isto no futebol. Conheço o árbitro [principal], não o quarto, e ele é um grande tipo, um árbitro muito bom", disse o técnico dos ingleses do Tottenham, em conferência de imprensa.

Mourinho acrescentou que o quatro árbitro, o romeno Sebastian Coltescu, “cometeu um erro inexplicável e que só ele pode pedir desculpa e aceitar as consequências".

O incidente ocorreu quando o quarto árbitro deu sinal ao árbitro principal, o compatriota Ovidiu Hategan, para expulsar o treinador adjunto do Basaksehir Pierre Webo, tendo-se este queixado que Coltescu utilizou a expressão “negro”, recusando-se a sair do campo.

Após vários minutos, o 'staff' da equipa turca e os jogadores, seguidos pelos do PSG, decidiram abandonar o relvado, numa altura em que o jogo estava empatado 0-0 e o presidente do clube turco, Göksel Gümüsdag, disse que os jogadores só voltariam hoje ao terreno de jogo se Coltescu não voltasse.

Já hoje, a UEFA designou uma nova equipa de arbitragem, liderada pelo holandês Danny Makkelie, para dirigir o que falta concluir do jogo, com reinício agendado para as 17:55 (hora de Lisboa).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.