O Sporting visita esta terça-feira o terreno do Marselha, em partida a contar para a terceira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões 2022/23.

Rúben Amorim, treinador dos leões, fez a antevisão ao encontro, que colocará frente a frente primeiro e último do Grupo D e que será disputado à porta fechada, falando também de outros assuntos da atualidade dos verdes e brancos.

Jogo para ganhar: "O empate não é um bom resultado. Como o Pote disse, somos o Sporting, um clube grande em Portugal e que está a crescer, pouco a pouco, na Europa. Este grupo pode mudar de um momento para o outro. Não sabemos qual será o jogo que irá fazer a diferença. Tudo é possível. Temos que vencer este jogo, que é muito importante para nós. Não estamos na melhor posição no campeonato e ajudou-nos ganhar os jogos na Champions. Queremos ser um clube habituado a estas provas. Queremos os três pontos. Espero que os meus jogadores saibam ler o jogo, mas a ideia é sempre vencer."

Equipas em posições distintas: "O Marselha fez dois bons jogos e não merecia perder em casa com o Frankfurt e também reparámos que com o Tottenham o jogo estava muito complicado, não fosse a expulsão. Foram dois jogos decididos no detalhe e nós na Liga Portuguesa tivemos jogos nos quais não merecíamos perder, mas também tivemos culpa. Nós jogamos sempre da mesma maneira, seja na Champions ou no nosso campeonato. Temos sempre que ganhar. É fácil gerir isso. Tendo seis ou zero pontos, estando em sétimo ou em primeiro na Liga, o nosso clube obriga-nos a ganhar sempre."

Marcus Edwards ou Paulinho a frente? "O Paulinho vem de uma lesão, mas fez um excelente jogo, está recuperado e é mais uma opção. Não vou dizer qual vai ser o jogador que vamos usar amanhã. Jogar com o Paulinho não é a mesma coisa que jogar com o Marcus. Um dos dois vai jogar no meio, é a única coisa que posso dizer. Vai jogar aquele que acharmos melhor para desenvolver o nosso jogo."

A pensar no Ranking da UEFA: "Pensamos muito nisso, porque precisamos de ter mais lugares nas competições europeias, para termos mais dinheiro porque não temos o financiamento que os clubes franceses têm. Sobrevivemos da formação. Olhamos para o ranking, como em França, mas por razões diferentes. E com objetivos diferentes."

Apontado como possível opção para treinar o Wolverhampton: "Dou a mesma resposta que dei noutras situações. Estou no Sporting. Estou muito feliz aqui e gosto de estar aqui."

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.