João Meneses, da Comissão Executiva do Lusitânia, disse à Agência Lusa que o clube de Angra do Heroísmo precisa de 45 mil euros por mês para assegurar a participação das suas equipas na Liga profissional de basquetebol e na Série Açores da III Divisão de futebol.

As iniciativas de recolha de fundos já no terreno têm registado uma "adesão razoável", acrescentou o porta-voz da Comissão Executiva, incumbida pela Assembleia Geral em Janeiro da tarefa de promover as diligências legais com vista ao encerramento do clube.

João Meneses referiu que ainda não foi entregue em tribunal qualquer pedido de insolvência, indicando que o clube mantém contactos com os credores na esperança de que esse passo seja evitado.

Apesar de ter baixado nos últimos dois anos de 4,5 para cerca de três milhões de euros, a dívida do Lusitânia supera em muito o seu património, avaliado em 1,5 milhões de euros, e os credores do clube pretendem proceder à execução de penhoras.

Finanças, Segurança Social, uma agência de viagens e uma empresa de construção civil concentram a quase totalidade das dívidas do clube.

Fundado em Junho de 1922, o Lusitânia agrega um total de cerca de 500 atletas e foi a primeira equipa açoriana a ingressar nos campeonatos nacionais de futebol (época 1978/79).

O clube conquistou por 21 vezes o campeonato açoriano de futebol e obteve 38 títulos de Campeão da Ilha Terceira na mesma modalidade.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.