Sérgio Conceição fez esta tarde a antevisão ao encontro de amanhã, frente ao Atlético de Madrid, a contar para a primeira jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

Grupo equilibrado: "Esse equilíbrio está patente por aquilo que é a história dos clubes. Estivemos numa final em 2004, desde aí tanto Milan, Atlético e Liverpool estiveram duas vezes em finais. Isto mostra o poderio destes mesmos clubes. Fazem parte de ligas que em termos financeiros e de competitividade superiores ao nosso, conseguimos contrapor essas diferenças com o espírito que o Pepe falava há bocado, com uma ambição muito grande, olhando para cada jogo como uma oportunidade de vencer"

Episódio contado por árbitro assistente do Sporting-FC Porto: "Eu conheço o grupo que tenho. Além do futebol, existe a vida pessoal. Orgulho-me de ter um grupo de jogadores que além da qualidade que têm como profissionais, têm uma qualidade pessoal acima da média. Vi muita preocupação com um adepto do rival, mas nesse momento não há rivalidade nenhuma, o que interessa é a saúde"

Diogo Costa: "O Diogo Costa está a fazer o papel dele, com a sua qualidade e a evolução que tem tido. Não nos podemos esquecer de outro guarda-redes que nos deu muito, com o Marchesín. O Diogo começou a jogar com o Marchesín em condições, a semana de trabalho é que decide as minhas escolhas, tendo em atenção também o Cláudio Ramos e o Meixedo"

Wendell"Para as pessoas pode ser estranho, mas o Wendell tem se preparado, tem trabalhado connosco para perceber o que queremos dele, naquilo que são os princípios da nossa equipa. Não é num estalar de dedos. A última titularidade de Wendell foi em maio, a utilização é pouca e tive 10 jogadores fora durante 15 dias. Se calhar se os tivesse todos, o conhecimento dele seria diferente. Isto não quer dizer que não é opção, foi opção para o Sporting. As decisões sou eu que as tomo em consciência em ser 'cabeça dura' como dizem"

Reencontro com Simeone: "Acho que representamos um clube de gente muito apaixonada. Um clube que no seu ADN tem muito a ver com a nossa personalidade. Temos as nossas diferenças, naquilo que é dinâmica de jogos podem descrever que são aguerridas, com ambição, mas quem não tiver isso, tem de ter uma equipa super talentosa e mesmo assim, normalmente são necessários. (...) Temos uns traços de personalidade semelhantes, na Lázio era tudo gente de caráter muito forte, muita luta para todos ganharem o seu lugar. Foi um ano muito bom, mas isso faz parte do passado. Somos hoje treinadores, com muita vontade de ganhar o jogo de amanhã e é nisso que estamos focados"

Elogios de Simeone: "Sou teimoso, ele não será menos. Conheço-o. Achava que eu não ia ser treinador, na altura tinha 23 anos, era miúdo, ela já era um pouco mais velho, ele já pensava em atingir o auge e o máximo. O meu foco nessa altura era ser jogador de alto nível. O Diego se calhar já pensava mais além"

Semelhanças entre equipas: "São equipas diferentes. Mesmo sem bola são diferentes. Somos uma equipa mais pressionante na organização defensiva. (...) A forma como reagem à bola é muito boa. Naquilo que é o seu processo defensivo são mais pacientes do que a minha equipa. A base está lá, são equipas ambiciosas, que não viram a cara à luta. Aí há semelhanças"

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.