O Benfica empatou, esta quinta-feria (0-0) frente ao Galatasaray e segue em frente para os oitavos de final da Liga Europa. Encarnados confirmaram a vantagem de 2-1 trazida da Turquia.

Bem se sabe que as estatísticas servem apenas de referência no futebol e no desporto. Mas uma, em especial, vinha rapidamente à memória antes do início da partida na Luz. A vantagem de 2-1 trazida de Istambul recordou que o Benfica tinha sido eliminado apenas uma vez nas Taças europeias depois de vencer fora na primeira mão. Contudo, como o desporto rei não é ciência exata, a equipa de Bruno Lage tinha que mostrar serviço no relvado da Luz para garantir a qualificação para a próxima fase da Liga Europa.

O técnico encarnado, na antevisão da partida, tinha prometido mudanças na equipa e cumpriu. Saíram Samaris, Gabriel e Rafa para a entradas de Florentino, Gedson e Cervi.

Sabendo de antemão que se tratava de uma vantagem confortável, mas não decisiva, o Benfica quis nos primeiros minutos chegar ao golo para poder descansar e colocar no bolso a eliminatória. E bem o tentou nos primeiros minutos.

Quando ainda as bancadas na Luz ainda se iam vestindo de vermelho, Cervi esteve perto de inaugurar o marcador (7´). Desvio do espanhol, depois de um passe de Pizzi da direita.

João Félix deu, pela primeira vez, o ar da sua graça, ao minuto 17´. Depois de tirar Belhanda do caminho, cruzou mas para ninguém. Depois de um primeiro quarto de hora prometedor por parte das águias, cheirava a golo da Luz, perante um Galatasaray muito remetido à sua defesa.

No ataque, os turcos eram demasiados inconsequentes. Um livre para ninguém para Belhanda era o espelho da fraca produção ofensiva da equipa orientada por Fatih Terim na primera parte.

Com o avolumar dos minutos, e com o intervalo a aproximar-se, a toada de jogo tornava-se morna e demasiado 'pachorrenta'. Antes do descanso, apenas dois lances criaram 'frisson' junto das balizas. Belhanda colocou à prova Vlachodimos (44´) com um remate de pé esquerdo. No mesmo minuto, Muslera com uma boa estirada impediu o pior para os forasteiros, numa excelente intervenção, depois de um remate de Pizzi, serviço de João Félix.

Ao intervalo era clara a superioridade encarnada, mas pedia-se mais velocidade ao Benfica na segunda parte para conseguir desbravar os caminhos que iam dar à baliza de Muslera.

O início do segundo tempo pareceu retirado a papel químico dos primeiros minutos de jogo, com o Benfica no ataque, mas à procura de um maior esclarecimento. Gedson logo a abrir a etapa complementar deu calafrios a Muslera, num remate rasteiro.

A conversa ao intervalo de Bruno Lage com os seus jogadores teve certamente efeitos na mudança de dinâmica. Os encarnados estavam mais velozes e acutilantes nas transições o que punha a nu as debilidades defensivas do conjunto de Istambul.

Ao minuto 53, Seferovic trocou de papel com João Félix, servindo o jogador português, mas antecipou-se um defesa turco a cortar para canto. Com o 'Ferrari' com problemas no motor de arranque, Bruno Lage fez entrar Rafa para o lugar de Cervi.

Pouco depois da meia hora, o Benfica criou a melhor oportunidade da segunda parte. Ferro ganhou nas alturas, a bola sobrou para João Félix que falhou de forma incrível o golo.

Apesar da ineficácia encarnada, não pairava no ar a ideia de que o Galatasaray pudesse chegar ao golo. Só através de lances de bola parada, os turcos conseguiam criar perigo.

Com a partida controlada, Bruno Lage optou por refrescar; Jonas entrou para o lugar de João Félix para o aplauso da noite.

Contudo, a eliminatória ainda estava em aberto e os turcos foram à procura do sonho nos minutos finais.

Ao minuto 85, os forasteiros ainda gritaram golo, mas o lance foi anulado por fora de jogo.

O Benfica cumpriu a missão e marca encontro no sorteio desta sexta-feira dos oitavos de final da Liga Europa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.