O Parque Eduardo VII, em Lisboa, serviu hoje como palco para cerca de 3.000 adeptos do Benfica assistirem à final da Liga Europa de futebol, num final de tarde que começou quente, mas que acabou numa noite “gelada”.
Durante três horas, frente a um ecrã gigante montado na parte inferior do parque e a poucos metros do Marquês de Pombal, adeptos “encarnados” de todas as idades e de vários pontos do país cedo preparavam-se para mais uma noite de festa, depois da conquista do 33.º título nacional, mas acabaram por abandonar o local desolados com a derrota perante o Sevilha no desempate por grandes penalidades.
“Viemos de Faro. Ficámos com muita pena por não ter estado na festa do título, por isso decidimos não perder os festejos da Liga Europa. Estamos aqui e vamos festejar a noite toda”, disse João Penedo à agência Lusa, que chegou a Lisboa acompanhado de mais quatro amigos.
Ainda em Turim o jogo não tinha começado, já no Parque Eduardo VII, num fim de tarde em que a temperatura rodava os 30 graus e com muita cerveja à mistura, o barulho era muito, com os habituais cânticos (Ser Benfiquista e Campeões Campeões), e foi aumentando com a chegada de mais adeptos, que “pintaram” o relvado de vermelho.
“Decidimos dar um passeio a Lisboa e queríamos muito estar na festa do Benfica. Normalmente só vemos pela televisão mas desta vez queríamos estar no Marquês”, contou Helena e Carlos Silva, um casal de Coimbra que cedo montou um “mini-piquenique” na primeira fila.
Depois de uma versão viking de um adepto do Benfica mais atrevido e “alegre” ter decidido mostrar as partes baixas no primeiro segundos do jogo, que soltou muitos risos e gargalhadas na multidão, os festejos passaram a sofrimento e nervosismo, sobretudo quando o Sevilha ganhou alguma ascendente na primeira parte.
Mesmo assim, perto do intervalo, com duas oportunidades de golo do Benfica, os adeptos tiveram a primeira explosão de emoção, o que levou também às primeiras demonstrações de frustração, com algumas garrafas e copos de plásticos a voarem pela multidão.
Com o desenrolar do encontro, e com o 0-0 a manter-se teimosamente no marcador, a festa desapareceu por completo do Parque Eduardo VII e foi trocada por muita ansiedade, sobretudo quando o árbitro apitou para o final do prolongamento, dando lugar ao sempre dramático desempate por grandes penalidades.
De repente, parte do Parque Eduardo VII mais pareceu num lugar de oração com muitos adeptos a colocarem-se de joelhos junto ao ecrã gigante a rezar pela vitória do Benfica.
Mas as orações acabaram por não ter resultado. O silêncio ganhou força quando Cardozo e Rodrigo falharam as respetivas grandes penalidades, ambas com defesas de Beto, e dominou por completo esta zona do Parque Eduardo VII quando Kevin Gameiro confirmou o triunfo do Sevilha.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.