O ex-ministro do Interior monegasco Paul Masseron e três altos responsáveis policiais foram acusados no âmbito do processo de corrupção movido ao dono do Mónaco, Dmitry Rybolovlev, disse hoje o gabinete do promotor.

O russo Dmitry Rybolovlev, de 51 anos, dono do Mónaco, foi detido na terça-feira em Monte Carlo e colocado sob custódia das autoridades horas antes da receção aos belgas do Clube Brugge (0-4), para a Liga dos Campeões, por suspeitas de corrupção e tráfico de influências em negócios ligados ao mundo da arte.

A investigação ao milionário russo, em conflito com o seu antigo negociante de arte suíço, levou agora a novas acusações contra o ex-ministro do Interior do Mónaco Paul Masseron e três altos responsáveis policiais.

De acordo com o gabinete do promotor monegasco os quatro suspeitos encontravam-se sob a influência do dono do Mónaco, Dmitry Rybolovlev, e são acusados de tráfico de influência passiva e violação do sigilo da investigação, ao que pode ainda acrescer, dadas as pistas recolhidas, suborno passivo.

Entre os três suspeitos policiais, Christophe Haget, chefe da Polícia Judiciária, e o seu vice Patrick Fusari, ainda estão no cargo, ao contrário do ex-diretor de Polícia de Segurança Pública, Regis Asso, que se reformou, segundo a promotoria.

O processo está a provocar uma onda de choque sem precedentes no principado e envolve, para além do milionário russo Dmitry Rybolovlev, um total de oito pessoas, entre os quais o também ex-ministro da Justiça do Mónaco, Philippe Narmino.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.