Rogério Gonçalves, treinador português do clube moçambicano do Ferroviário de Nampula, revelou esta quinta-feira à agência Lusa que não recebeu qualquer indicação que terá de ser repatriado, garantindo que vai continuar a trabalhar normalmente.

O nome do técnico consta numa lista, enviada pelo Ministério de Trabalho Moçambicano à agência Lusa, de treinadores e jogadores do principal escalão do futebol daquele país africano, que estarão a trabalhar ilegalmente e, que por isso, terão de repatriados.

Perante estas informações, Rogério Gonçalves garantiu à Lusa que não recebeu qualquer ordem para deixar Moçambique, assegurando que a direção do seu clube, o Ferroviário de Nampula, está em Maputo, a averiguar a situação.

«A direção disse-me para estar tranquilo e não me preocupar. Pelo que me apercebo esta situação tem a ver com contrato de trabalho e a entidade patronal», disse o técnico.

Rogério Gonçalves afirmou que, neste momento, está legal no país: «Não tenho ordem para sair do Moçambique. Tenho visto e contrato de trabalho, neste momento estou legal».

«Vou exercer normalmente o meu trabalho, até porque sei que estão fazer diligências, em Maputo, para resolver a situação», garantiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.