O intervalo e o final do jogo foram sinónimos de festa para os milhares de adeptos que no Porto viram Portugal apurar-se para os oitavos de final do Mundial2018 de futebol, após empatar 1-1 com o Irão.

Pelo meio, o penálti desperdiçado por Cristiano Ronaldo fez nascer ansiedade em rostos, nos quais, minutos antes, a euforia reinava fruto ainda do golo de Ricardo Quaresma e, quando o árbitro apitou para o fim do jogo, o suspiro final antecipou a festa enorme que se seguiu.

Com uma jovem sentada nos seus ombros, Francisco admitiu à agência Lusa ter "sofrido muito" e que "não havia necessidade, mas um jogo de futebol é mesmo assim", argumentou, considerando que o penálti falhado foi mais um episódio "num jogo já de si difícil".

"Conseguimos segurar bem o resultado e vamos em frente", afirmou o jovem adepto, que, sobre a eliminatória com o Uruguai, respondeu com confiança.

"Vamos tranquilos, confiantes e com a fé de que vamos rumo à final. Não sei se Portugal é melhor do que o Uruguai, mas temos uma boa equipa e vamos dar muita luta", argumentou.

De cara pintada e com uma camisola com motivos da seleção nacional, Ana Beatriz concordou que a partida com o Irão trouxe "festa e sofrimento": "aquele último golo custou, mas o que importa é que estamos apurados e vamos em frente e na próxima semana vamos para os Aliados".

"Tenho muito orgulho na minha seleção e no Quaresma também", rematou.

José Carlos Barbosa viu a companhia feminina fugir assim que chegou a equipa reportagem da Lusa, mas, agarrado ao cachecol de Portugal com um indisfarçável orgulho e confiança, falou do presente e do futuro da seleção no Mundial2018.

"[Eliminar o Uruguai) vai ser difícil, mas vamos conseguir. Ganhámos um Euro sempre a empatar, pois isso agora vai ser fácil", afirmou um dos milhares de adeptos que encheu o Largo Amor de Perdição, no Porto, para quem o percurso do ?onze' português "não surpreende".

E prosseguiu: "a seleção não está aqui para arrasar, está aqui para ganhar. Temos orgulho no equipamento que vestimos, no que somos e vamos conseguir mais uma vez. Pode ser que consigamos ser campeões do mundo. Nós acreditamos!"

Com o cachecol de Portugal numa mão e uma pequena bandeira do Irão, na outra, Sérgio circulava pelo recinto, tendo explicado à Lusa as suas opções "por ambas serem treinadas por selecionadores portugueses".

"Deviam passar ambos", lamentou, antes de recorrer ao vernáculo para mostrar a sua antipatia para com Espanha.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.