Abel Ferreira, em festa pela conquista da Taça Libertadores, pode tornar-se dentro de dias o primeiro treinador português a vencer o Mundial de clubes de futebol, que o Palmeiras disputa no Qatar, de 04 a 11 de fevereiro.

No sábado, o ‘verdão’ ganhou o direito a disputar a edição 2020 do Mundial de clubes, adiada para 2021 devido à pandemia da covid-19, ao bater o Santos por 1-0, na terceira final 100% brasileira da ‘Champions’ da CONMEBOL, no Maracanã.

Um golo do suplente Breno Lopes, aos 90+9 minutos, deu ao conjunto de Abel Ferreira o título sul-americano e o direito de ‘sonhar’ com o Mundial, que ficou a dois triunfos de distância, já que os brasileiros começam nas meias-finais.

O Tigres, do México, ou o Ulsan Hyundai, da Coreia do Sul, são o primeiro adversário dos brasileiros, seguindo-se, provavelmente, o ‘poderoso’ Bayern Munique, o grande favorito a conquistar a 17.ª edição da prova.

Caso consiga tamanha proeza, Abel Ferreira torna-se o primeiro português a ver a prova, na ‘era’ Mundial de clubes, em 2000 e desde 2005, ou, antes, de 1960 a 2004, na Taça Intercontinental, disputada entre os campeões europeu e sul-americano.

De todos os técnicos lusos, o que esteve mais próximo foi Jorge Jesus, que chegou à final da edição 2019, ao comando dos também brasileiros do Flamengo, que perderam com os ingleses do Liverpool por 1-0, após prolongamento.

Um golo de Roberto Firmino, aos 99 minutos, derrotou o atual treinador do Benfica, que, pelo ‘Fla’, venceu Taça Libertadores, campeonato brasileiro, as supertaças sul-americana e brasileira, o campeonato Carioca e a Taça Guanabara.

Jesus começou nas meias-finais, fase que Manuel José atingiu em 2006, ao comando dos egípcios do Al-Ahly, que perderam por 2-1 com os brasileiros do Internacional, para, depois, acabarem no terceiro lugar, com um 2-1 aos mexicanos do América.

Além de Manuel José, nenhum outro técnico luso tem historial na prova, nem José Mourinho, apesar de ter conquistado por duas vezes a Liga dos Campeões, em 2003/04, ao serviço do FC Porto, e em 2009/10, ao comando do Inter de Milão.

Mourinho conquistou o direito de disputar o título mundial em 2004 e 2010, mas, após os cetros europeus, mudou sempre de clube, primeiro do FC Porto para o Chelsea e depois do Inter de Milão para o Real Madrid, pelo que nunca pôde sequer tentar.

Em 2004, os portistas venceram a prova sob o comando do espanhol Victor Fernández, e, em 2010, o Inter de Milão ganhou liderado pelo também espanhol Rafa Benítez.

O FC Porto também venceu a prova em 1987, mas igualmente com um treinador estrangeiro: depois de vencer a Taça dos Campeões de 1986/87, Artur Jorge rumo ao Racing Paris, sendo substituído pelo então jugoslavo Tomislav Ivic.

Num embate inesquecível, devido à neve que cobriu o relvado do Estádio Nacional de Tóquio, o ‘onze’ de Ivic ganhou por 2-1, após prolongamento, graças a um golo do argelino Rabah Madjer, que já tinha sido um dos ‘heróis’ do 2-1 ao Bayern, em Viena.

Quanto ao Benfica, perdeu as edições da Taça Intercontinental de 1961 e 1962, face aos uruguaios do Peñarol e aos brasileiros do Santos, mas em ambas liderado por treinadores estrangeiros.

O húngaro Béla Guttmann, que conduziu os ‘encarnados’ aos triunfos na Taça dos Campeões em 1960/61 e 1961/62, esteve na final de 1961 e o chileno Fernando Riera na de 1962, edição em que o Santos ganhou por 3-2 em casa, com um ‘bis’ de Pelé, e por 5-2 na Luz, com mais três do ‘rei’.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.