O Tribunal Administrativo do Desporto de Espanha abriu hoje um processo disciplinar ao presidente da Federação Espanhola de Futebol por infrações graves na final do Campeonato Mundial feminino, quando Luis Rubiales beijou na boca a jogadora Jenni Hermoso.

A decisão do Tribunal Administrativo do Desporto (TAD) surge na sequência de uma queixa do governo espanhol, através do Conselho Superior do Desporto, que denunciou o beijo de Luis Rubiales à futebolista Jenni Hermoso e o comportamento do presidente da federação na bancada do estádio de Sydney, quando tocou os próprios genitais para celebrar a vitória da seleção de Espanha na final do Campeonato do Mundo.

A decisão de hoje do TAD, citada pelos meios de comunicação social espanhóis, traduz-se na aceitação parcial da queixa apresentada pelo governo espanhol e inicia assim um procedimento para sancionar Luis Rubiales por duas infrações contra o decoro.

O governo espanhol pretendia ainda que o comportamento de Rubiales fosse considerado abuso de autoridade pelo TAD, o que não consta da decisão do tribunal, impedindo assim que o Conselho Superior do Desporto decrete a suspensão provisória de Rubiales da presidência da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

O processo do TAD a Rubiales por infrações graves pode levar à suspensão do presidente da federação durante um período de entre um mês e dois anos, segundo os meios de comunicação social espanhóis.

Luis Rubiales já está suspenso pela FIFA, de forma provisória, durante 90 dias, por causa dos acontecimentos em Sydney, durante o jogo e nas celebrações da vitória espanhola.

Após ser conhecida a decisão de hoje do TAD, o ministro da Cultura e Desporto de Espanha, Miquel Iceta, lamentou que o tribunal tenha considerado os comportamentos de Rubiales infrações graves e não "muito graves", como pretendia o governo.

Miquel Iceta disse, numa conferência de imprensa em Barcelona, que o Conselho Superior do Desporto ficou por isso sem capacidade para suspender Rubales, mas vai instar o TAD a adotar essa medida até haver um desfecho do processo disciplinar que agora se inicia.

O ministro realçou que o governo continua a considerar que "as atuações do presidente da RFEF merecem ser qualificadas como muito graves, abuso de autoridade e prejuízo da imagem do futebol" espanhol "no contexto da celebração da magnífica vitória" da seleção feminina.

"Quando os olhos do mundo estavam fixados nas jogadoras espanholas, alguns acontecimentos infligiram um dano difícil de reparar ao nosso desporto e à nossa imagem como país", acrescentou, dizendo que o governo estuda outras eventuais medidas jurídicas contra Rubiales.

Após os acontecimentos em Sydney, seguiram-se inúmeras críticas a Rubiales, tendo a jogadora Jenni Hermoso afirmado que não tinha consentido o beijo, ao contrário daquilo que garante o presidente da RFEF.

Rubiales disse na semana passada que não iria abandonar o cargo, o que provocou um novo pico de contestação e extremar das posições, com as jogadoras da seleção a anunciarem não estarem disponíveis para voltarem a representar Espanha, enquanto os atuais dirigentes da RFEF se mantiverem nos cargos.

No sábado, a FIFA anunciou a suspensão de Rubiales do cargo por 90 dias, e 11 membros da equipa técnica do selecionador, Jorge Vilda, apresentaram a demissão. Por seu lado, o técnico condenou o "comportamento impróprio" do presidente da RFEF.

[Notícia atualizada às 19h32]

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.