Hassan Al-Thawadi, principal responsável pela organização do Mundial2022, apoiou a decisão da FIFA de impedir os capitães de seleções de utilizarem a braçadeira com a inscrição "One Love" e as cores do arco-íris, de apoio aos direitos LGBTQIA+.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

"Se uma seleção o tivesse feito durante toda a época era uma coisa, mas se querem vir ao Qatar tomar posição já é um problema, porque é uma parte do mundo que tem os seus próprios valores religiosos", disse o dirigente à Talksport.

A polémica das braçadeiras ganhou relevância quando várias seleções europeias se uniram no sentido de utilizar uma braçadeira de capitão com a inscrição "One Love" (um amor), em alusão à igualdade, mas que a FIFA avisou não ser possível, ameaçando com sanções.

Inglaterra, País de Gales, Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Países Baixos e Suíça dispensaram assim os seus capitães do uso da braçadeira, face à possibilidade de serem penalizados, mas referiram estar “frustrados” com a inflexibilidade demonstrada pela FIFA.

O Qatar, o primeiro país do Médio Oriente a organizar um campeonato do Mundo de futebol, garantiu que todos os adeptos são bem-vindos, sem discriminação, porém a lei do país criminaliza a homossexualidade.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.